A Princesa da Yakuza leva máfia japonesa às ruas de São Paulo

Sem-t-tulo

O longa-metragem nipo-brasileiro-americano A Princesa da Yakuza, recém lançado no dia 20 de abril na plataforma de streaming da Netflix, baseado na graphic novel Samurai Shirô, do quadrinista brasileiro Danilo Beyruth, lançado em 2018 pela DarkSide, contando a história de Akemi, uma jovem descendente de japoneses moradora do bairro da Liberdade que na realidade é herdeira da máfia Yakuza, tendo sido escondida no Brasil desde pequena.

Filmado a sua grande maioria em São Paulo no bairro da Liberdade e em Osaka no Japão, tem uma pegada dos filmes desse gênero japonês, como Kate, também lançado em 2021 na Netflix, estrelado pela atriz norte-americana Mary Elizabeth Winstead. Um longa cheio de emoção, drama, suspense e apelo familiar, e muito, mas muito sangrento, contemplado em um roteiro bem amarrado com base na HQ de Beyruth e escrito por Fernando Toste e Kimi Lee.

AAAABZLCCk-Y7l6-G3ae-Xw-CRPIUId-Snn-EP27zjon-VUKq-REt9-Vs-L36-AAe-Iwlj-Mtl-KX0jl-OB1-SVk-YOj-Vw-Bfi3

A Princesa da Yakuza é um filme nipo-brasileiro que enaltece a comunidade japonesa, com ação e aventura, fugindo dos filmes nacionais clichês que são propagados para fora do país. A estrela Masumi, que interpreta a jovem Akemi, que logo após completar 21 anos, ela vê em seu caminho um estranho homem sem memória com uma katana (um tipo de espada japonesa comumente usada pelos samurais). A partir desse encontro, Akemi passa a ser perseguida pelos mortais yakuzas (membros da máfia japonesa) e, para sobreviver, ela precisa enfrentar seu passado enquanto se arrisca nas ruas de São Paulo.

Um filme dirigido por Vicente Amorim, que trouxe toda história de Danilo, agregando com influências do cinema de ação japonês, em que há muito sangue, terror, drama e aventuras pelos becos dos bairros orientais. Pois há certas horas que o bairro da Liberdade, parece realmente que é uma comunidade no Japão, pois todas as luzes dão todo o clima ao longa.

masumi-em-a-princesa-da-yakuza-foto-divulgacao-netflix-widelg

Além das cenas de luta, que dão mais impacto ao filme, apesar de algumas cenas serem fortes, pois há muito sangue e decapitação, por isso que não recomendado para menores de idade e nem para pessoas de estomago fraco, pois Princesa da Yakuza é um banho de sangue do começo ao fim. Por falar no fim, ao que deu a entender, é que ficou um parecer de um segundo filme, quando Akemi revela o nome do homem misterioso, Shiro, fica um suspense no ar de uma continuação, se eles realmente foram para o Japão ou se ficaram aqui no Brasil, esse foi um mistério que deixou.

Mas em si, A Princesa da Yakuza está disponivel na Netflix com muita ação, aventura, drama, mistério e sangue, muito sangue, estrelado por Masumi como Akemi, Jonathan Rhys Meyers como Shiro, Tsuyoshi Ihara como Takeshi, Eijiro Ozaki como Kojiro, Kenny Leu como o motorista de táxi, Mariko Takai como Sra. Tsugahara, Charles Paraventi como Armond, Toshiji Takeshima como Chiba e Lucas Oranmian como Perito.

Por Priscila Visconti

Uma consideração sobre “A Princesa da Yakuza leva máfia japonesa às ruas de São Paulo”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s