Arquivo da tag: guerra

“Cinco Vermelhos” – Uma trama intensa sob os traços delicados inspirados no Sumi-ê

733745851-780x439

Já era para ter falado a muito tempo deste livro, apesar de sugerir ele junto com outras obras por aqui, para que a galera pudesse conhecer na CCXP 2018, não havia resenhado sobre “Cinco Vermelhos”, da autora e ilustradora, Talessa Kuguimiya. Continuar lendo “Cinco Vermelhos” – Uma trama intensa sob os traços delicados inspirados no Sumi-ê

Bumblebee O Filme chega aos cinemas neste Natal

bumblebee1-e1533567273964-750x380

Na próxima terça-feira (25), no dia de Natal, o Autobot que anos atrás lutou contra os Decepticons em seu planeta natal, Cybertron, vai encontrar refúgio na pequena cidade californiana de Brighton Falls. Continuar lendo Bumblebee O Filme chega aos cinemas neste Natal

O Comandante – Uma singela homagem aos soldados brasileiros

hbucsbdcabacifncvfhj_vioa

Nesta sexta-feira, vamos falar de um lançamento fresquinho que foi lançado em janeiro deste ano, que é a revista O Comandante, criado pelo Ruan Victor e ilustrado por Jimmy Reis, ela está sendo vendida através de suas redes sociais, só chamar eles no inbox e pedir seu exemplar, e também pelo site do PagSeguro, que é só entrar pedir e pagar seu exemplar. Continuar lendo O Comandante – Uma singela homagem aos soldados brasileiros

[Cabine da Pipoca] 2028 traz um mundo pós-apocalítico e batalhas árduas para a sobrevivência humana

10624678_693666477406890_1707799437125491230_n

O mundo é um lugar impróprio para todos, um dia tudo isso que hoje vivemos há de acabar, e o que irá prosperar será a violência e a guerra, as pessoas que ainda residirem viverá em conflito eterno em um cenário pós-apocalíptico. E é essa história que o curta-metragem 2028 apresenta, uma obra baseada nos quadrinhos de Marcelo Costa, Magno Costa, Magenta King, Dalts, Mateus Santolouco, João Azeitona e Arthur D’Araujo, do Coletivo Bimbo Groovy.

O filme produzido peça Insônia Filmes tem como proposta ser uma obra de cunho universal e totalmente fiel a história da HQ. Uma proposta inspiradora que se tornou um grande desafio, contando com técnicas específicas de filmagem, efeitos visuais 3D, maquiagem, composição de cena, extensão de cenários, trilha e efeitos sonoros. Em plena harmonia com a adaptação da HQ “Hunt”, de Marcelo Costa.

A pré-estreia oficial aconteceu no dia 4 de dezembro, durante a Comic Con Experience, em São Paulo, com um bate-papo antes da exibição do curta diretor, Jorge Mendes e também com o autor, Marcelo Costa, que contou um pouco a produção, algo surreal, mas em uma realidade extremamente verídica, onde as pessoas precisam tomar medidas drásticas para sobreviverem.

Assista abaixo o trailer de “2028”:

A pré-estreia da película já aconteceu, mas o diretor do mesmo pretende realizar uma segunda “estreia” do filme, mas dessa vez partilhado em geral. Em 2015 os planos são de inscreve-lo em festivais nacionais e internacionais, para que ganhe reconhecimento do público, e em relação a publicação no Youtube, por enquanto não será integralmente subida na rede. Mas, para mais informações acesse o site oficial ou a fanpage do curta-metragem no Facebook.

Por: Patrícia Visconti

[Cabine da Pipoca] “A Pedra de Paciência” – A força e ternura da mulher afegã

188968.jpg-rx_640_256-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

“A Pedra de Paciência” retrata uma mulher que, por meio de sua força, pode ser dona de suas próprias escolhas, e assim alcançar a liberdade.

No Cabine da Pipoca de hoje vamos adentrar na cultura Afegã, através de uma mulher que por trás de sua burca mostra muita braveza, valentia, mas sem perder sua ternura. O filme “Pedras de Paciência – a mulher por trás da burca”, com direção de Atiq Rahimi, que revela na trama a força da mulher em uma sociedade machista e conservadora.

O longa mostra uma cortina azul com desenhos de pássaros, criando uma sensação de liberdade. Porém, o som de uma explosão quebra este momento e somos levados para a realidade, onde a protagonista, interpretada pela sempre bela Golshifteh Farahani (que já havia me encantado em “Frango com Ameixas”), cuida do marido (Hamid Djavadan) em coma. Uma tarefa que fortalece a prisão que é o casamento dela, contrastando com a sensação de liberdade no início.

A história é a típica de uma mulher afegã, que está sempre ao lado do marido, mas que nessa ela também faz as terapias que seu esposo faz, devido ao ataque ele teve em uma guerra, ai ela o ajuda contando seus segredos, principalmente de como ele nunca foi presente como amante e tudo que precisou fazer para manter o casamento. É interessante ver que quanto mais ela conta e se torna independente, o marido vai sendo escondido (e esquecido) no próprio cenário.

A terapia não é algo fácil de acompanhar, pois o ritmo que o diretor Atiq Rahimi escolhe para desenvolver a história é lento, e em certos momentos pode se tornar tedioso para um público acostumado aos blockbusters norte-americanos. Contudo, é uma escolha certeira que aumenta a angústia e solidão que a esposa vive.

O diretor também renega ao máximo inserir músicas para não cair no melodrama, investindo em sons ambientes, e aqui temos um ótimo trabalho da equipe de som que, intercalando com os monólogos, nos faz perceber o perigo da guerra ao redor da casa, com explosões e tiros que, mesmo soando distantes, sempre estão presentes.

Os personagens não recebem nomes, pois, naquela situação, eles não representem indivíduos, e sim uma maioria que
tem os mesmos problemas. A protagonista representa todos os medos que uma mulher muçulmana pode ter, além de uma grande personalidade que espera ser revelada atrás da burca. E como não poderia deixar de ser, a principal atração é a atuação de Golshifteh Farahani. A atriz conduz bem a mudança de sua personagem, desde o medo que ela tem do marido até uma mulher dona de si.

Assista o trailer do filme:

 

570164.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Sinopse:
No Afeganistão, uma linda mulher cuida de seu marido em um quarto decadente. Ele é um herói de guerra e está em estado vegetativo, após um levar um tiro no pescoço. Abandonado pelos companheiros do Jihad e por seus irmãos, sua mulher o observa e começa uma confissão solitária, falando sobre sua infância, seus sofrimentos, sua solidão e seus sonhos. Por meio de suas palavras para o marido, ela procura um caminho para recomeçar a vida.

 

ONDE ASSISTIR:
São Paulo: Reserva Cultural
Brasília: Cine Liberty
Salvador: Cinema do Museu

Por Priscila Visconti