Arquivo da tag: infância

[Cantinho Literário] José Aguiar lança a graphic novel “A Infância do Brasil” que mostra momentos histórico da infância ao decorrer dos séculos

Nesta semana vamos falar de uma obra de um autor bastante premiado, que está lançando sua nova graphic novel, “A Infância do Brasil”, que já está a venda nas principais livrarias do Brasil, que foi produzida pelo quadrinista José Aguiar, que já ganhou diversos prêmios, como Troféu HQ Mix e o Prêmio Jabuti, duas premiações bastante importantes da literatura nacional. Continuar lendo [Cantinho Literário] José Aguiar lança a graphic novel “A Infância do Brasil” que mostra momentos histórico da infância ao decorrer dos séculos

Anúncios

[Total Flex] Colecionável não brinquedo!

Algumas semanas atrás a internet parou para presenciar a ‘treta’ do tal colecionável, em que uma criança de sete anos, queria brincar, mas a dona da action não permitiu que ela brincasse, pois essa peça é uma de suas favoritas, além de custar um valor um pouco expansivo, a peça era o Gavião Arqueiro, integrante de Os Vingadores. Continuar lendo [Total Flex] Colecionável não brinquedo!

[WebTV] Sheldon Cooper, de The Big Bang a Teoria vai ganhar uma série sobre sua infância

Salve tripulação do OBC, o WebTV desta semana não vai ser uma dica de série como nas outras semanas, mas sim uma série futura, que ainda nem começou a gravar, mas que já promete ser sucesso. Mas que na verdade, a ‘futura’, que vai estrear, vai remeter ao passado da vida do pequeno jovem Sheldon Cooper, de The Big Bang Theory, da sua infância até a juventude. Continuar lendo [WebTV] Sheldon Cooper, de The Big Bang a Teoria vai ganhar uma série sobre sua infância

[Cabine da Pipoca] O cinema nacional também será palco na CCXP 2016

15331557

Daqui exatamente uma semana, começa a terceira edição da Comic Con Experience – CCXP 2016, que vai do dia 1º a 4 de Dezembro, no São Paulo Expo – antigo Expo Imigrantes -, em São Paulo.

Um evento com muitas novidades, palestras, painéis, fãs, ídolos e tudo que soma para enriquecer a cultura pop internacional e claro, nacional, que não ficará de fora deste mega evento, que hoje apesar da pouca idade, já é considerado a maior convenção da América Latina.

Representando o Brasil será representado pelo ator Vladimir Brichta e o diretor, Daniel Rezende, em um painel exclusivo dedicado ao longa-metragem “Bingo – O Rei das Manhãs”. Uma produção da Gullane Filmes, associada com a Empyrean, e traz um retorno da cultura dos anos 80. Continuar lendo [Cabine da Pipoca] O cinema nacional também será palco na CCXP 2016

[TOTAL FLEX] Nunca é tarde para aprender!

dona-nice-aprendendo-a-pedalar-com-bike-anjo-Foto-Paulo-Dimas

Essa é a semana que antecede o dia das crianças, que será no próximo domingo (12), resolvemos falar de eventos diferentes do que pautamos habitualmente aqui em nossa embarcação.

Todavia, não vamos falar sobre um lançamento de um livro, nem de filmes, muito menos algum show ou espetáculo em geral, mas sim de um evento que ensinará as pessoas a fazer coisas que todos (ou a maioria) aprende na infância.

Acontece neste domingo um evento bastante inusitado, é a oficina de coisas banais que você deveria ter aprendido na infância mas não aprendeu. Isso mesmo, este evento será verídico, e reunirá diversas pessoas que gostaria de aprender andar de bicicleta, patins, plantar bananeira, assoviar, rodar bambolê, entre outras coisas, que pode ser vergonhoso de admitir, mas com certeza você não está sozinho nessa.

A oficina acontecerá em São Paulo, e mais três estados sucessivamente, respectivamente no Espírito Santo, Brasília e Minas Gerais.

Parece zoeira dos eventos criados no Facebook, mas este é verdadeiro, basta levar suas bikes, bambolês piões, bolas, chicletes, patins, muito entusiasmo, diversão e alegria, pois o dia é das crianças, mas a farra será dos grandões.

Atividades que terão no evento:

Andar de bicicleta
Andar de patins
Assovio com dedo
Assovio sem dedo
Soprar bola de chiclete
Amarrar o cadarço
Correr que nem uma pessoa normal
Dar estrelinha
Plantar bananeira
Fazer cambalhota
Peidar com suvaco
Rebolar no bambolê
Pular corda (pulo individual, pulo coletivo, entrar no portal da morte [entrar com a corda batendo], com um pé só, botando a mão no chão, dando uma giradinha, indo pro olho da rua)

E MUITO MAIS!!!

SERVIÇO

Oficina de coisas banais que você deveria ter aprendido na infância mas não aprendeu
Data: 12/ Outubro/ 2014
Horário: 13h

São Paulo

Parque Ibirapuera
Av. Pedro Álvares Cabral – Moema
P.S.: Ponto de encontro, 13h: Em frente a Oca, portão 3 [entrada de carro].
Seguiremos para uma parte mais afastada do parque, no PORTÃO 8 [num dá pra entrar com o carro](quem chegar depois do horário pode ir direto pra lá).
Mais info: AQUI

Espírito Santo

Praia de Itaparica
Avenida da Praia, Vila Velha
Mais info: AQUI

Brasília

Jardim Botânico de Brasília – JBB
SMDB – Área Especial – Jardim Botânico de Brasília
Mais info: AQUI

O local onde será o evento em Minas Gerais não está disponível em link aberto para o público, mas para mais informações acesse a página oficial de São Paulo, que eles cessam vossa duvida.

Todavia, vale muito a presença de todos, mesmo aqueles que já sabem fazer alguma das atividades que serão realizadas no evento, para auxiliar os novatos no aprendizado.

Por: Patrícia Visconti

[Cyber Cult: 8 Bits] Nintendo – Uma história de gerações

imagem

Aqueles que leram o título já devem estar familiarizado com a empresa citada, em que muitos a consideram uma empresa que criou não apenas videogames e jogos históricos, mas construiu infâncias, e tem a qualidade de marcar gerações com suas histórias contadas em seus jogos.

Mas, há muito mais por trás da Nintendo. Seu início é datado muito antes dos jogos, da tecnologia, e de tudo que conhecemos facilmente hoje em dia.

Tudo começou em 1889, quando uma pequena empresa dedicada a um jogo de baralho japonês chamado “Hanafuda” foi criada. Seu nome é, Nintendo.

Durante sua época de empresa de baralhos orientais, obteve sucesso satisfatório. Porém, mais tarde (e bem mais), na década de 60, com o auge dos primeiros brinquedos eletrônicos, a Nintendo decide “jogar suas cartas” e entrar no mercado. Com isso, lançou em 1966 seu primeiro brinquedo eletrônico: o Color TV-Game, que foi sucesso de imediato.

Mas seu maior sucesso foi realmente lançado em 1981, o famoso árcade Donkey Kong. Nele, o jogador devia salvar uma donzela das mãos de um gorila, sendo este jogo protagonizado pelo bigodudo mais famoso que existe. Sim, estamos falando do Mario, mas naquela época, ele era apenas apelidado de Jumpman. Somente em 1983, é que nosso querido Mario recebeu um game inteiramente dele, o conhecido Mario Bros, onde ele e seu irmão Luigi, deviam salvar a famosa princesa das garras do tão famoso vilão Bowser. E de lá pra cá, Mario obteve sucesso mundial, estrelando em mais de 200 games no total! E isso contando não só jogos de aventura, como os de corrida (Mario Kart) e os de luta (Super Smash Bros.). E mais adiante, a Nintendo criou mais e mais personagens carismáticos que marcaram nossa geração e com certeza está marcando a atual. Afinal, quem não se divertia nas fases de Donkey Kong, ou lutava sem parar com The Legendo f Zelda ou treinava seus monstrinhos de bolso em Pokemon?

E assim, a Nintendo em seus 125 anos mostra que não só gráficos e milhões de dólares devem ser gastos para um jogo de sucesso, mas também, utilizando a boa e velha formula de criatividade, carisma amor por aquilo que faz.

Por: Daniel Bárris

[Cyber Cult – 8 Bits] Videogames – A oitava arte?

Video-Games

Acredito que a maioria (senão todos) os que estão lendo este texto devem ser da minha época. A boa e velha época onde algumas moedas valiam fichas e mais fichas para incansáveis horas de jogatinas em Fliperamas espalhados pela cidade. Seja no velho centro de São Paulo, perto do Minhocão, ou na saudosa região da Lapa. De qualquer forma, não só vocês viveram esta deliciosa época, como também já ouviram de seus pais algo como:

– “Isso não dá futuro!”
– “Videogame influencia as pessoas.”
– “Isto não serve para nada!”

Convenhamos, estas frases deixavam qualquer criança ou amante de um bom videogame triste, e até irritado. Pudera. Naqueles tempos, os tão famosos videogames invadiram a casa de famílias, alegrando a garotada e alguns adolescentes, mas que não apresentavam qualquer outro valor, além de uma “distração”. Podíamos ter lido um livro, andado no parque, mas preferimos adicionar este hobby em nossa lista de afazeres.

Cortando fora a nostalgia e voltando aos agitados dias atuais, vemos que uma das coisas em que com certeza evoluiu nestes últimos tempos, e não só o telefone móvel, o computador, e a informação, vemos que os tão famosos videogames evoluíram de forma rápida, impactante, e para os mais extremos, chocantes. Quer dizer, não só podemos jogar, agora temos em nossas mãos, controles em formas de Tablets, acesso à internet, integração com redes sociais, vídeos, música, mas jamais deixe de esquecer o jogo que podemos nos entreter. Sim, isso é o mais importante, e é isso que mais evoluiu.

Não só o console, com seu design mais simples e suave, mas os jogos aos quais temos extrema familiaridade. Antigamente, eram simples, com comandos e missões simples, que exigiam algum uso de estratégia e pensamento rápido do jogador na hora da tomar a decisão certa, mas temos agora um conjunto completo! Em minha opinião, penso que um jogo, é como um livro: você possui a história, entra nela junto com protagonista (além de vivenciar os fatos como se fosse ele), podemos notar um enredo muito mais elaborado do que antes, com uma história linear incrível, incluindo excelentes músicas, texturas dos cenários de cair o queixo, e o mais importante: a jogabilidade.

Esta sim, é a parte mais importante, pois é esta a diferença que um gamer sentiu durante todos estes anos, sendo o que mais vale a pena em um jogo adquirido pelo mesmo.

Hoje em dia, podemos jogar algo que lide com fatos reais, sendo eventos históricos, ou até algo próximo do nosso cotidiano. E quanto mais algo for próximo de nossa realidade, mais temos a tendência de descobrir algo sobre ele, tendo um desejo de curiosidade sobre isto. Mas claro que não desconsidero os famosos games de fantasias ou de pura ficção, sendo estes mais aclamados e admirados por todos.

Videogame, jogo, game, já são palavras que estão em nossos dicionários pessoais, pelo andar da carruagem, serão coisas que evoluirão cada vez mais.

Por: Daniel Bárris