Arquivo da tag: pesquisa

Artista recifense reúne misticismo para apresentar as lendas e mitos do folclore nacional

CAPA1

Roberta Cirne é quadrinista e pesquisadora da história Pernambucana e todo suas lendas e folclores residentes na região. Tanto que seus maiores trabalhos são sobre direcionadas às histórias sombrias de Recife, como em seu último projeto lançado durante a CCXP 2018, “Sombras de Recife“, uma HQ para os amantes de suspense, terror e fatos históricos. Continuar lendo Artista recifense reúne misticismo para apresentar as lendas e mitos do folclore nacional

Astrofísica brasileira é uma das melhores cientistas em atuação atualmente

marcellestars2

A professora de astrofísica de 37 anos, Marcelle Soares-Santos, venceu prêmio mundial de ciências, pelo reconhecimento de sua pesquisa pela Fundação Alfred P. Sload, que seleciona jovens cientistas em todo o mundo. A brasileira foi reconhecida como uma das melhores jovens cientistas atualmente, ela ganhará uma bolsa de US$ 70 mil dólares, para investir da maneira que quiser em seu trabalho. Continuar lendo Astrofísica brasileira é uma das melhores cientistas em atuação atualmente

Victor Klier – O menino que sonhava em ser quadrinista e criar um mundo inclusivo e pensante para todos

0400-x-0267-20181003155350-N3-F7-E

Ele é jornalista, roteirista, editor e quadrinista, já trabalhou com um dos maiores desenhistas do Brasil, o mestre Ziraldo, mas a história de Victor Klier e de como ele chegou até aqui, poucos conhecem. Fugiu de casa, foi expulso da casa da ex-namorada de uma amigo, andarilhou pelas ruas do Rio de Janeiro e levou bronca até do Ziraldo. Nota-se que não é muito comum essa história, pois bem, apesar de parecer contos da Carochinha, Klier passou por alguns perrengues até conseguir conquistar seu objetivo e ter seu material publicado. Continuar lendo Victor Klier – O menino que sonhava em ser quadrinista e criar um mundo inclusivo e pensante para todos

[Total Flex] Clube da Luluzinha está crescendo na nona arte

375253_265396883585725_766578449_n

Nesta semana vamos apresentar à vocês uma jovem que ama quadrinhos desde que se conhece por gente, a paulistana de 30 anos, Geovana Held, que sempre foi presenteada por sua mãe com quadrinhos da Turma da Mônica, ela começou lendo Maurício de Sousa como qualquer um que começa a ler ainda na infância, – afinal, isso é clássico – e nisso ela pegou gostou e começou a criar histórias em forma de ilustrações. Continuar lendo [Total Flex] Clube da Luluzinha está crescendo na nona arte

[Cyber Cult] Capa de invisibilidade está mais próxima de se tornar real

1310991344657-hp-capa-de-invisibilidade

Para quem gostar de dar fugidinha por aí, uma promessa está saindo dos livros e em breve estará nas prateleiras dos mercados.

Estou falando da “capa invisível” que está sendo elaborada por  pesquisadores da Queen Mary University of London, que transformam objetos usando um material com nano-partículas que pode melhorar propriedades específicas na superfície do objeto. Continuar lendo [Cyber Cult] Capa de invisibilidade está mais próxima de se tornar real

[Cyber Cult] E-cig pode ser tão nocivo quão os cigarros convencionais

GTY_e_cigarette_jef_130923_16x9_608

A nova sensação entre os fumantes que querem evitar o tabaco enrolado nos cigarros, são os cigarros eletrônicos, ou então os e-cig ou vaping, que são aparelhos eletrônicos desenvolvidos com o objetivo de simular o ato de fumar.

Esse dispositivo produz uma fumaça sem nicotina, porém com vapor inalável, podendo ter com vários sabores diferentes, como de frutas, doces e bebidas, sendo uma alternativa peculiar aos fumantes, mas como dito acima, sem adição do tabaco.

Todavia, segundo uma pesquisa de Havard, esses cigarros não são uma alternativa segura e saudável com muitos há de pensar. Já que os vaping podem sim contem substâncias químicas nocivas, podendo causar doenças respiratórias e problemas nos pulmões, dificultado a respiração.

Os organizadores da pesquisa analisou 51 tipos de e-cig, e também alguns modelos líquidos, encontrando os compostos diacetil, acetoína ou 2,3-pentanodiona em 47 deles. Ainda mais, o que alegam que ficam isenta de nicotina não é tão verídico assim, já que os os autores do projeto encontraram diferentes níveis da substância nos cigarros eletrônicos, além de outras cancerígenas, como o formaldeído.

Hoje já são quase dois milhões de usuários do e-cig em todo o mundo, um aumento exorbitante de 2013, quando o número de “fumantes eletrônicos” eram de 660 mil, aumentando tanto em 2014 e sendo tendência uma no ano de 2015.

Por: Patrícia Visconti

[Cyber Cult] E a leitura, como vai?

lendo

Uma pesquisa divulgada no final do mês passado pelo Instituto Pró-Livro em parceria com o Ibope Inteligência, diz que o brasileiro está lendo bem menos do que lia a sete anos atrás, tendo um declínio de 5% – caiu de 95,6 milhões (55% da população estimada), em 2007, para 88,2 milhões (50%), em 2011 -, mas considerável apenas para aqueles que ainda estudam, pois quando saem do colégio ou de níveis superiores, pouco leem. Porém, há uma controvérsia nesta história, já que o texto digital aumentou o índice de leitura, todavia o público tem saído dos livros físicos e densos, e ido para publicações e posts mais coloquiais, diretos e dinâmicos, onde há um discernimento na leitura, mas de uma maneira “popularesca”, introduzindo o hábito na sociedade.

Essa contração da leitura foi medida até entre crianças e adolescentes, que leem por dever escolar. Em 2011, crianças com idades entre 5 e 10 anos leram 5,4 livros, ante 6,9 registrados no levantamento de 2007. O mesmo ocorreu entre os pré-adolescentes de 11 a 13 anos (6,9 ante 8,5) e entre adolescente de 14 a 17 (5,9 ante 6,6 livros).

Além do mais, com as redes sociais, houve um número exorbitante de impulsionar a escrita no Brasil, amplificando-os ainda mais nos meios tecnológicos, seja ele nas redes sociais, e-mail ou blogs, criando um debate dilatado de opiniões, ou seja, mais gente produzindo conteúdo e outras tantas, compartilhando opiniões, criando discussões sobre um determinado assunto.

Porém, há uma outra controvérsia, já que apesar do brasileiro ler e escrever mais na web, seu nível de arquivamento sobre uma pauta expedita é menor, pois assim como ela chega veloz, não permanece tão veraz, sendo dispersada e questão de segundos, quando surge outro fato em questão, disseminado a multidões, mas abarcado por poucos. Tornando a informações “burn notice”, sendo dissipada em pouco tempo.

No entanto, vamos nos conectar as redes sociais, comentar e opinar nos blogs, mas obtendo um conhecimento amplo e mantendo o foco de leitura física também, pois não adianta nada ler o que está na “moda”, mas pouco conhecer sobre os pensadores literários. Ampliar a leitura, é agregar sabedoria a sua vida intelectual, mas principalmente social, pois quem lê sêmea o conhecimento e amplia sua cultura, descentralizando apenas de um único vínculo.

Por: Patrícia Visconti

[Cyber Cult] SECOM divulga pesquisa que dita o comportamento de mídia dos brasileiros

0,,36032737-EX,00

Na semana passada foi divulgada pelo Governo Federal o relatório da pesquisa brasileira de mídia, que reúne os hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. E o que já era de esperado aconteceu, apesar do índice exorbitante do crescimento das vendas de tablets e smatphones no país, a Internet ainda não é um meio tão popular assim para fontes de notícias, segunda a pesquisa.

Os brasileiros preferem se informar através de jornais impressos, com 53% dos entrevistados e TV, 50% até mesmo pelo rádio, com 49%, fica a frente da web, que perde de vez quando relacionado à blogs de notícias, que têm apenas 22% de credibilidade dos usuários no país.

Confere abaixo o gráfico representado na pesquisa:

creditos_mcm_brasil

Porém, a internet não é tão renegada assim, já que depois dos 73% de telespectadores que preferem a TV, ela está presente a vida dos brasileiros, principalmente em acessos nas redes sociais e sites de notícias, como o Yahoo, G1 e Globo.com. Revertendo as bases quando a faixa etária cai dos 16 a 25 anos, que a preferência pela televisão despenca 70% a da internet sobe 25%, o rádio com 4% e as outras mídias são mencionadas próximas a 0%.

Porém, o índice de blogs e visibilidade na web precisa ser direcionada, pois as pessoas ainda se remetem apenas à redes sociais e credibilizam um ou outro site de notícia, não focando as informações como elas devem ser relevantes, discriminando notícias de blogs, preferindo aos feeds das mídias sociais. Tornando que a internet seja mais um meio de entretenimento, enquanto a TV e o jornal impresso seja uma opção para obter informação.

Para àqueles que quiserem ler o documento na íntegra, basta acessar o site da Secretaria de Comunicação do Governo Federal (veja aqui) e conferir toda pesquisa realizada sobre o comportamento de mídia dos brasileiros.

Por: Patrícia Visconti