Arquivo da tag: Rap

[Caixa de Som] Rapper paulistano ‘pede perdão’ em seu novo videoclipe

12042679_855971971185610_2962154216952456968_n

O músico paulistano Yannick, lançou nesta semana seu novo videoclipe, “Peço Perdão”. Um single que fala sobre um homem que perdoa a mulher qual teve mais que um namoro,mas uma amizade, que mesmo após o término do relacionamento, aceitou sem mágoas e ressentimentos, pois nada que é obrigado há de ser fiel e feliz.

Cantada em primeira pessoa, ele diz dos perdões cometidos, e incentiva o outro que já esteve ao seu lado para seguir seu caminho, sendo junto dele, com outro ou sozinha.12047018_855964731186334_1045573095587225351_n

A música desmistifica toda a cena do RAP nacional atual, aonde retrata a imagem feminina de forma ostensiva e pejorativa, mostrando a mulher apenas como um desejo de líbido. Formando assim, uma nova geração de rapper e MCs, mas não fugindo da essência do gênero em pautar algo em que a sociedade necessita ouvir, falar e debater.

O vídeo foi gravado num cenário bastante familiar do artista, a Rua Augusta. Dirigido pelo produtor Augusto Takeshi e interpretado pelo próprio artista e a estudante Marina Barbosa.


Yannick é paulistano, tem 31 anos e desde a adolescência soube que seu propósito era propagar a arte e a cultura alternativa através da música. Criador e curador da festa OBRIGAAAH, ele traz artistas da cena independente aos olhos dos grandes centros, compartilhando o que cada um tem de melhor a oferecer.

Recentemente, ele está em processo de produção de seu primeiro compacto, aonde terá um compilado de canções inéditas e autorais.

Por: Patrícia Visconti

[Caixa de Som] James Bantu transmiti suas percepções sociais com muita rima e poesia

10478217_519771304815933_8999626670008189347_n
Foto por: Tiago Santos

Paulistano, rapper, poeta, instrumentista, dançarino e compositor, James Bantu é o que podemos chamar de um artista completo.

10537162_545144058945324_3302722565606122399_nCom sua voz doce e sutil, faz árduas críticas sociais, dando voz àqueles que nunca são ouvidos pela sociedade atual, mostrando que nem só de pobreza e sofrimento vive a periferia das grandes cidades, onde a festa e as brincadeiras fazem parte da arte e da história dessa gente, afinal, não é só nos grupos elitistas que há cultura.

JBSuas letras autorais influenciado pelos rappers estadunidenses, mas mixando com o estilo e jeitinho brasileiro de impôr cultura negra em seu estilo, sempre com muita rima, afinação e harmonia, em estilos que vão além do RAP, mas também passando pelo soul, funk e pop em suas canções.

Estudou canto e dança na Escola Técnica de Artes de São Paulo, onde lá absorveu todo conhecimento para ser um multiartista e levar sua arte e sua música além das fronteiras que ele vivência, mas para lugares que ninguém o conhecia.

JB 2

Um artista nato, de um carisma ímpar que transpira poesia e conquista seu público com suas canções, arte e percepções filosóficas, histórias negras cotidianas, discursos refinados de identidade e outras sutilezas.

Conheça, ouça e veja um pouco do trabalho de James Bantu:

Para saber mais sobre esse grande propagador da cena do rap do nacional atual acesse:

Facebook | Twitter | Instagram | SoundCloud

Por: Patrícia Visconti

[Total Flex] A música e a arte vai dominar as ruas paulistanas

img-slide-1

Festa, música e diversão irão invadir as ruas de São Paulo, com a segunda edição do Tim Music na Rua, que acontece neste sábado, 15, no Vale do Anhangabau, Largo da Batata, Praças da Luz e da República e o bairro Vila Madalena.

Um evento exclusivo para a capital paulista que começa no próximo fim de semana – 15 de agosto – e vai até o dia 13 de setembro, ocupando diversas áreas públicas e de fácil acesso à população, levando atividades diversas da cena cultural da metrópole.

O público poderá acompanhar encontros inusitados exclusivos para o festival que vão do samba, MPB, rap, rock n’ roll, com interpretes de renome, como MC Guimê, Tiê, Arlindo Cruz, Titãs, Péricles, Otto, Dois Africanos, Rashid e Rael. Além de coletivos trazendo workshops, criação, apresentação de bboys e aulas de bike, skate e ping pong, ao som das pick ups do Pilantragi, um grande promotor da cultura de rua.

Todos os presentes no evento poderão recarregar as baterias dos smartphones e celulares no lougue, e ainda matar a fome no espaço gastronômico, que reunirá os melhores food trucks nos cinco fins de semanas da festa, que também contará com uma infraestrutura preparada para receber o público com espaços de lazer e cultura ao ar livre.

img-slide-6
Para saber mais sobre programação e aproveitar ao máximo todas as atividades, acesse: www.timmusicnarua.com.br.

Confira a programação completa:

MPB – Largo da Batata

15/8, a partir das 16 horas

Tiê, Dois Africanos, Otto
Maracatu Bloco de Pedra
A Batata Precisa de Você

Samba / Hip Hop – Praça da República

22/8, a partir das 16 horas

Péricles e Rael

Hip Hop / Rap – Praça da Luz

29/8, a partir das 16 horas

Rashid e MC Guimé
Matilha Cultural

Festa – Vila Madalena

12/9, a partir das 14 horas

Calefação Tropicaos e Pilantragi

Rock/MPB/Samba – Anhangabaú

13/9, a partir das 16 horas

Arlindo Cruz e Titãs

Em todas as datas:

Love CT, Ping Point, Bike Anjo e Pilantragi

Por: Patrícia Visconti

[Caixa de Som] Projeto MOPRI: Poetizando a realidade e somando qualidade

10294346_1479618862267861_559429609810532097_n

Já que nesta semana foi “comemorado” o dia que a Princesa Isabel assinou a Lei Área, no dia 13 de Maio de 1888, onde abolia a escravidão entre os negros, mas isso foi apenas na teoria, pois a situação dos mesmo, não mudou muita coisa, para não dizer que as chibatas dos capataz ordenados pelos senhores doía menos que as discriminações que eles iriam enfrentar perante a sociedade. Aonde a maioria dos negros encontrou grandes dificuldades para conseguir empregos e manter uma vida com o mínimo de condições necessárias, e isso ocorre ainda hoje, mesmo após 127 anos da abolição ainda existe este preconceito.

E baseado nessa ideia, um trio de rappers do Projeto MOPRI estreou nesta semana o videoclipe “Sem Massagem”, onde eles cantam uma realidade distinta daquela periferia mostrada nas telenovelas, onde todo mundo entra sem bater e todos andam sorrindo e saltitando, mas sim uma verdade que nem mesmo os jornais mostram, onde mais de 70% dessas pessoas são negras e vivem as margens da sociedade, recebem muito menos do que os brancos e ainda, tem de ouvir piadinhas pejorativas e medíocres de seres irracionais que acham que estão fazendo piadas.

Um país onde a população é miscigenada como o Brasil, seria inadmissível algo deste parâmetro, porém a cor da pele, a raça, a religião e o quanto você possuí em sua conta bancária contam mais do que o seu caráter, que na maioria das vezes é ignorado e defasado dentre tantas outras “prioridades” diante a sociedade politicamente correta.

O Projeto MOPRI tem influências de vários gêneros musicais, como Rock, funk, Soul, Hardocore Heavy metal, Chilltrap, Trap Chillstep, Dubstep, apesar da base da banda ser o RAP. Com letras que apresentam uma realidade oculta pela grande mídia, mas muito presente na sociedade, principalmente aquela que corre, que luta e tá na labuta diária par conquistar seu espaço, sua dignidade e não deixar e engolem seu caráter.

10308104_1479618635601217_1025530431118213002_n

A banda é formada pelos músicos Eri Q.I., Lucas Beatmaker e Luciano Mello, que tinham uma química tão forte musicalmente que a interligação foi imediata, e assim se entregando de corpo e alma, os músicos foram somando suas influências musicais com a rotina cotidiano, surgindo um som autoral e verídico, o projeto MOPRI.

Conheça mais do Projeto MOPRI nas redes sociais do trio:
Facebook | Youtube

Por: Patrícia Visconti

[Caixa de Som] Gesin: Música, amor e união em uma única palavra

1969111_720551634664065_803076930078644820_n

Rap, família, periferia, essas são alguns adjetivos da dupla do Itaim Paulista, região leste de São Paulo, Gesin, que coincidentemente quer dizer família, em africano, algo que o casal Adilson e Ana Paula cultua e preza bastante, pois eles estão sempre unidos e apoiando um ao outro, juntos a sete anos, mas profissionalmente estão a três, sempre motivando e incentivando a filha deles de três anos a entrar no clima musical.

Influenciados pelo rap estadunidense da costa leste e com uma pegada e ginga brasileira, o casal segue independente mostrando seu som por quer que eles passam, propagando-o em festivais, festas de rua e shows realizados pela capital paulista. Um jornada nada fácil para quem está na batalha sozinho, mas a arte é isso, quem não corre atrás do que quer, tem de aguentar o que vier, seguindo as regras de quem mandar.69665_514261045293126_1974235009_n

Com letras que trazem a veracidade periférica, e principalmente apoiando o preconceito que os negros sofrem em pleno século 21, pois como eles mesmo citaram na página oficial deles: “Podemos ser bem sucedidos, honestos, e leais, mas se estivermos nos padrões que o populacho exige, AINDA somos meros neguinhos fazer ‘Pelô’ na Mente das PESSOAS. Então pra você que é negro, NÃO se envergonhe, se assuma, tenha orgulho de SUA negritude!”.

Esse é um pouco da Gesin, um dupla que preza a família, sua origem e sua essência, sem balelas em arquétipos estipulados pela sociedade, são eles por eles, fazendo e procriar seu trabalho.

Confira na íntegra o videoclipe da dupla “Meu Cabelo”:

Para conhecer mais sobre a dupla, confira abaixo os links para contato:

Site | Facebook | Twitter | Youtube

Por: Patrícia Visconti

[Agenda Cultural] Diversão e cultura não vai faltar para agitar o seu fim de semana

43354e886866c99a6576fc75b97e61e2

Fim de semana chegando, e ninguém quer ficar deitado do sofá mofando assistindo os mesmo programinhas de sempre na TV ou na Internet, então, não mais justo do que curte e aproveitar o que a cidade tem a nos oferecer do mundo cultural, e melhor ainda se for a baixo custo ou gratuito.

Se liga abaixo em nossa agenda cultural para que seu fim de semana seja sensacional:

Jazz na Kombi na Praça Roosevelt

Quando um grupo de amigos, amante do jazz se reúne para fazer seu som, não importa onde seja, mas há de sair alguma coisa, nem se for na praça, no beco ou na rua. E neste sábado, acontece mais uma edição deste encontro na Praça Roosevelt, região central de São Paulo.

Data: 22/ março/ 2014
Horário: 16:20
Local: Praça Roosevelt
Endereço: Praça Roosvelt, s/n – Consolação
Centro – São Paulo/ SP
Entrada: GRÁTIS

Mais info: Facebook

Casa do hip hop de SBC recebe Familia Toca dos Rappers e convidados

Apresentação dos grupos: MDF, Total Quebrada, Max Griot, Vulgo Mouse, Quadrilha B.O., Ilusões, Cupula Rap, Projeto Impar de SP, Atroant de Leme, Sentimento Real de Rio claro, Mentes do Gueto, Cyclone Aliado e comemorando seu aniversario de 14 anos o grupo Suicidio Lento de Curitiba PR.
DJ convidado Heisen Berg Ceo de Americana e apresentação no dia do novo dj do toca dos rappers;

Data: 22/ março/ 2014
Horário: 15:00 às 21:00
Local: Casa do Hip Hop SBC
Endereço: Av. Senador Vergueiro, 578
São Bernardo do Campo/ SP
Mais info: Facebook

Encerramento da semana do Hip Hop – GUETO PRO GUETO

Data: 22/ março/ 2014
Horário: 13:00 às 18:00
Local: Praça do Correio
Endereço: Metro São Bento – Centro de SP – em frente aos Correios
Entrada Franca

Programação:

1780899_619334098145655_124740193_n

Piscina no Minhocão

Já neste domingo acontece o maior evento público de integração social de São Paulo, com direito a piscina olímpica rasa e com cloro com DJs tocando vinil pra animar a festa.

O projeto, de autoria da arquiteta Luana Geiger, faz parte da X Bienal de Arquitetura de São Paulo cujo tema é cidade: modos de fazer, modos de usar.

Data: 23/ março/ 2014
Horário: 10h às 22h
Local: Minhocão
Endereço: Via Elevada – Presidente Artur Presidente Costa e Silva
São Paulo/ SP
Entrada: GRÁTIS
Confirme sua presença AQUI!

Agora que você já tem as indicações, basta só fazer as escolhas e curtir um fim semana de animação e diversão, e sem televisão.

É isso aí, até a próxima semana com a nossa agenda cultural…

Por: Patrícia Visconti