Arquivo da tag: redes sociais

“Adágio” – Uma obra para os sonhadores conectados com o futuro

46511031-10161153100945374-5947397792098942976-n

E se seus sonhos virassem posts nas redes sociais, aonde todos poderiam ver, comentar e até compartilhar com outros usuários da rede. Pois bem, ainda não estamos neste futuro utópico, mas podemos dizer que quase vivendo nesta realidade. Continuar lendo “Adágio” – Uma obra para os sonhadores conectados com o futuro

Banda Leela lança o novo single e prepara um novo álbum para 2019

35305528-1999937136724253-6685383854858960896-n
Foto por Otavio Sousa

Após alguns anos em hiato de lançar álbum novo, a banda Leela divulgou na última semana o videoclipe do próximo compacto do grupo, o single “Youtube Mine”, foi dirigido pela consagrada dupla Los Cabras, Antônio Adriano e Thiago Reys em parceria com 2Vilão, da produtora Trator Filmes. Continuar lendo Banda Leela lança o novo single e prepara um novo álbum para 2019

Avril Lavigne lança novo single após cinco anos fora dos holofotes

Head_Above_Water_de_Avril_Lavigne_DSTK_748x410_5b9ad7f5691f2
Depois de cinco anos longe dos palcos e dos holofotes, devido à doença de Lyme, que a cantora canadense Avril Lavigne teve, no qual ela passou um intenso tratamento, ela está de volta oficialmente e nesta quarta-feira (19), a cantora divulgou seu primeiro single após a pausa em sua carreira. O single “Head Above Water” fala sobre a luta contra a doença que Avril enfretou nesse período longe dos trabalhos. Continuar lendo Avril Lavigne lança novo single após cinco anos fora dos holofotes

‘Ferrugem’ traz reflexões sobre o nosso comportamento nas redes sociais

26238977_408581169599244_6729791105434098055_n

Em tempos de compartilhamento instantâneo nas redes sociais, muitas informações são difundidas e propagadas na web, desde as mais bestas e desnecessárias, até àquelas pessoais. Por isso todo cuidado é pouco ao enviar uma foto, um vídeo ou até uma opinião distinta perante a um grupo diferenciado, pois aquilo que foi enviado só para zoeira, pode acabar se virando contra você mesmo. Continuar lendo ‘Ferrugem’ traz reflexões sobre o nosso comportamento nas redes sociais

Flávia Felicio lança novo clipe em parceria do Caio Razec

32968599_10160424804980261_256495412557381632_n

A cantora paulistana de voz doce e meiga, Flávia Felicio, acaba de lançar seu novo clipe “Mesa Pra Dois”, em parceria do cantor Caio Razec. O videoclipe foi lançado nesta terça-feira (12), dia dos namorados. Continuar lendo Flávia Felicio lança novo clipe em parceria do Caio Razec

[Cyber Cult] Aplicativo compartilha informações sobre rotas alternativas, para fugir do caos no trânsito

waze

Hoje, a maior contradição dos tempos modernos é o trânsito, o empecilho para qualquer compromisso ou até mesmo, para aqueles diários, fazendo com que saímos mais cedo de casa e chegando mais tarde.

Quilômetros de congestionamentos formam filas pelas vias da cidade, impossibilitando qualquer brecha para fugirmos daquele embaralhado de carros, e pior ainda é quando ocorre algum acidente, a desordem é horrenda.

Todavia, essas compartibilidades mundana pode se tornar menos difícil com o aplicativo Waze, facilita e compartilha as informações das melhores vias para tráfego na cidade. Aonde os motoristas publicam informações sobre determinado ponto de congestionamento ou obstrução na via em tempo real, e você vê em tempo real as atualizações, podendo assim direcionar seu caminho, fazendo com que economize tempo e combustível.

Os motoristas são como agentes de trânsito, só que ao invés de passar por órgãos oficiais, é compartilhada na rede, onde todos podem ver e repartir as informações em suas redes sociais, com outros usuários que também estão na mesma situação que você, desobstruindo as rotas e chegando bem mais cedo ao seu destino.

O usuário só precisa digitar o endereço do destino e seguir a rota, dirigindo com o aplicativo ligado, passam a contribuir com informações por onde passam, compartilhando alertas sobre acidentes, perigos, polícia e outros eventos ao longo do percurso, ajudando outros usuários da mesma área com informações atualizadas sobre o que está acontecendo ao redor.

Além do mais, o aplicativo da dicas de postos de combustíveis mais baratos, para que você economize muito mais do que tempo, mas dinheiro também, afinal quem optou pelo carro para se locomover pela cidade sabe o quão os gastos são abusivos em nosso país.

O Waze está disponível para Android, iOS e Windows Phone, e pode ser baixado gratuitamente em qualquer plataforma, facilitando não apenas sua rotina, mas da cidade que sofre a cada dia com o acúmulo exacerbado de veículos que trafegam pelas ruas. Mas, se puderem deixar o carros apenas para uma emergência ou para os fins de semana, não só a comunidade agradece, mas o meio ambiente também, afinal o carro não o um bem tão útil quão a vida humana.

Para baixar e conhecer mais sobre o Waze, acesse: www.waze.com

Por: Patrícia Visconti

[Cyber Cult] E a leitura, como vai?

lendo

Uma pesquisa divulgada no final do mês passado pelo Instituto Pró-Livro em parceria com o Ibope Inteligência, diz que o brasileiro está lendo bem menos do que lia a sete anos atrás, tendo um declínio de 5% – caiu de 95,6 milhões (55% da população estimada), em 2007, para 88,2 milhões (50%), em 2011 -, mas considerável apenas para aqueles que ainda estudam, pois quando saem do colégio ou de níveis superiores, pouco leem. Porém, há uma controvérsia nesta história, já que o texto digital aumentou o índice de leitura, todavia o público tem saído dos livros físicos e densos, e ido para publicações e posts mais coloquiais, diretos e dinâmicos, onde há um discernimento na leitura, mas de uma maneira “popularesca”, introduzindo o hábito na sociedade.

Essa contração da leitura foi medida até entre crianças e adolescentes, que leem por dever escolar. Em 2011, crianças com idades entre 5 e 10 anos leram 5,4 livros, ante 6,9 registrados no levantamento de 2007. O mesmo ocorreu entre os pré-adolescentes de 11 a 13 anos (6,9 ante 8,5) e entre adolescente de 14 a 17 (5,9 ante 6,6 livros).

Além do mais, com as redes sociais, houve um número exorbitante de impulsionar a escrita no Brasil, amplificando-os ainda mais nos meios tecnológicos, seja ele nas redes sociais, e-mail ou blogs, criando um debate dilatado de opiniões, ou seja, mais gente produzindo conteúdo e outras tantas, compartilhando opiniões, criando discussões sobre um determinado assunto.

Porém, há uma outra controvérsia, já que apesar do brasileiro ler e escrever mais na web, seu nível de arquivamento sobre uma pauta expedita é menor, pois assim como ela chega veloz, não permanece tão veraz, sendo dispersada e questão de segundos, quando surge outro fato em questão, disseminado a multidões, mas abarcado por poucos. Tornando a informações “burn notice”, sendo dissipada em pouco tempo.

No entanto, vamos nos conectar as redes sociais, comentar e opinar nos blogs, mas obtendo um conhecimento amplo e mantendo o foco de leitura física também, pois não adianta nada ler o que está na “moda”, mas pouco conhecer sobre os pensadores literários. Ampliar a leitura, é agregar sabedoria a sua vida intelectual, mas principalmente social, pois quem lê sêmea o conhecimento e amplia sua cultura, descentralizando apenas de um único vínculo.

Por: Patrícia Visconti

[Cyber Cult] Educação aliada às redes sociais

4295c21217_Agito_Brasil_-_Educacao_e_redes_sociais

As redes sociais hoje em dia já se tornaram peças chaves de nossas vidas, pois antes mesmo de levantarmos da cama já verificamos nossas notificações, menções e mandamos nosso bom dia, mesmo que alguns só fazem isso no virtual.

Atualmente vivemos mais conectamos nas mídias sociais, do que no mundo real, entretendo-nos, conversando, compartilhando e até mesmo nos informando sobre o mundo geral, construindo nosso próprio feed de notícias.

Os adolescentes não são diferentes, se conectam 24 horas por dia, trocando mensagens, vídeos e fotos, até mesmo quando estão na sala de aula, lugar onde alguns professores permitem outros bloqueiam o uso da Internet móvel.

Mas, até que ponto os educadores estão certo em bloquear o uso excessivo desta ferramenta. Será que o bloqueio é solução para manter a concentração dos estudantes?

O debate se divide quando a pauta é sobre a educação e a velocidade que a tecnologia evoluiu, sendo que muitos até concordam, descordando, já que sem um orientador preparado, qualquer informação exacerbada pode se tornar um caos, transformando cidadãos pensantes, em alienados.

Havendo um acordo entre professores e alunos, criando grupos de estudos, visando e debatendo os temas atuais, trazendo este mecanismo como um complemento às aulas, e não apenas um copia e cola repercutindo a mesmice de sempre, mas ao invés de ler dos livros, retira-se na web. Tornando pensadores, que sabem disseminar uma discussão com argumentos plausíveis e inteligentes, e não palavras soltas e sem fundamentos, onde cria-se conflitos fúteis por casos pequenos e medíocres, ao invés de contestações amplas e sensatas.

Porém, há de peneirar o que é orientado e compartilhado nas salas de aulas, afinal nem tudo que é postado nas redes sociais é confiável ou verídico, há de selecionar assuntos relevantes à aula, para assim destrinchar os argumentos e definir a pauta sugerida em questão, unindo a matéria educacional ao rotineiro, anexando a questão pessoal de cada aluno, e assim somado em uma solução racional e contextual, ensinando-os e abrindo os canais da web, sem vulgarizar e omitir as informações ali pautadas diariamente.

Afinal, o que é oblíquo e omitido, passa a ser mais interessante do que o comum, no entanto, é admissível as instituições de ensino é orientar seus educadores para adicionar as redes sociais em suas aulas, do que bloquear e castigar aqueles que usam, mas nem mesmo sabem porque estão fazendo aquilo.

Consciência e dedicação valem mais do que supressão!

Por: Patrícia Visconti