Juliana Loyola lança a segunda edição da história muda, “The Witch Who Loved” na CCXP 2018

cover-witch2web-2

Em 2015 a ilustradora Juliana Loyola lançou a primeira edição de “The Witch Who Loved”, um mangá sem roteiro escrito, apenas desenvolvido através das ilustrações, que contam de forma imagética e lúdica o relacionamento de uma bruxa e um guerreira, entre altos e baixos e muitos conflitos, os quadrinhos vão desenrolando numa narrativa peculiar, com romance e muito drama, aonde cada leitor traduz conforme sua imaginação compõe.

Em 2017, Ju esteve em preparação de alguns novos projetos, o que deixou ela sem participar da CCXP, mas em 2018, a quadrinista regressou e notou quão sua obra causou impacto positivo aos leitores de mangás e quadrinhos, ainda mais, porque eles são completamente mudos, e os leitores têm de criar as falas e a narrativa falada em sua cabeça, isso a deixou prazerosa e realizada.

48361647-769811816688647-4109843979225268224-n
Foto por Priscila Visconti

Percebi que esse ano foi bem melhor que os outros anos que participei no AA 2015/2016, fiquei muito feliz esse ano porque meu trabalho estava mais reconhecido e também fiquei assustada pela quantidade de pessoas que vieram ate minha mesa para conhecer meu trabalho“, disse a autora.

cover-witch2webApesar, as realizações neste ano para Ju, não foi apenas durante a CCXP, já que a autora ficou na quinta colocação da Silent Manga Audition – SMAC #9, posição qual ela vem segurando desde 2015, mas em categorias distintas, neste ano ela faturou na categoria ‘Editor Team’s SMAC’, o que a deixou muito surpreendida.

Claro o sonho de todo mundo e o meu é ganhar o 1º lugar. Os jurados estão bem exigentes e isso faz com que fiquem mais criteriosos e a disputa mais acirrada. Esse prêmio me deu boa chance e motivação para continuar firme e aprimorar os trabalhos“, comenta a Juliana. “Esse prêmio me auxiliou sim na visibilidade do meu trabalho, afinal é um prêmio mundial“, completa a ilustradora.

35928759-2130217063922374-5803847362157740032-nE com essa visibilidade no exterior, faz com que o Brasil ganhe notoriedade na área dos mangás, apesar de ainda haver muito preconceito e de algumas editoras preferirem alguns nichos de publicações, há algumas que já estão aceitam e agregando os autores brasileiros na disjunção e lançando-os no país, porém o preconceito ainda é grande e isso limita o público em conhecer algumas publicações nacionais.

Todavia, eventos como a CCXP está mostrando representatividade aos mangás, colocando mais artistas do gênero dentro do Artists’ Alley e também, expandindo os estandes dentro da feira, motivando para que ilustradores produzam cada dia mais e propague essa categoria dos quadrinhos em solo nacional.

19206165-1350377998413119-248405484-n-768x789

A CCXP para meus projetos é muito importante não só financeiramente mais com motivação, dicas e a convivência com outros artistas“, finaliza Ju Loyola.

Para saber um pouco mais sobre o novo álbum da Ju, ou conhecer sobre a artista acesse:
Site | Facebook | Instagram | Twitter

Além do mais, no final do livro há artes de artistas convidados, interpretando em suas visões os personagens de “The Witch Who Loved – Vol 2“. Dentre esses estão, Caio Yo, Cris Eiko, Davi Calil, Hiro Kawahara, entre outros.

Por Patrícia Visconti

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s