As mulheres marcam presença na primeira edição no Artists’ Valley, da CCXP Worlds

ccxp2

Todo mundo duvidou de teria CCXP neste ano, mas a galera do maior festival de cultura pop do planeta não desaponta, e levará o épico direto para sua casa, com atrações únicas e inigualáveis, até mesmo um Artists’ Alley, ou melhor, Artists’ Valley terá para a galeria dos amantes da nona arte, e com artista memoráveis, alguns nunca vindos na edição física da convenção.

Dentre esses nomes há grandes artistas dos quadrinhos mundiais, ícones e referências com suas artes e obras, como a quadrinista Trina Robbins.

Trina é cartunista e historiadora, e foi uma das primeiras mulheres quadrinistas, sendo primeira a desenhar HQs da Mulher-Maravilha, e também se dedica a divulgar e agregar outras artistas que visam expôr seus projetos, criando espaços para que elas publiquem e ganhem visibilidade diante a um mercado tão masculino e com poucas oportunidades à garotas. Além disso, ela ainda é membro do Will Eisner Hall of Fame.

Trina-Robbins

Uma artista versátil e dinâmica, que produz diferentes histórias, mostrando seu empoderamento a cada obra apresentada, propagando o feminismo e a desmistificando a forma que as mulheres são representadas nos quadrinhos.

E por falar em representar, outra artista confirmada, é roteirista, colorista e ilustradora, Jill Thompson, que havia sido anunciada há algumas edições do evento no passado, mas que infelizmente tece que cancelar sua presença, por problemas pessoais, mas na versão digital ela prometeu marcar presença para a alegria dos fãs de quadrinhos.

CM83510-CM83510-3000-MSS-JILL-THOMPSON-START-980x551

Jill ficou conhecida por seu trabalho com os personagens de Sandaman, de Neil Gaiman, além de outros trabalhos, como Os Invisíveis, Monstro do Pântano, Mulher-Maravilha e Beasts of Burden (que teve sua primeira edição publicada no Brasil pela editora Pipoca e Nanquim), e sua série autoral, Scary Godmother (Minha Madrinha Bruxa).

Começou a carreira na década de 1980 em editoras como First Comics e Now Comics, na década de 1990, ela se tornou ilustradora da da série da DC Comics Wonder Woman, desenhando a história “Chalk Drawings” em Wonder Woman #46 e ganhando elogios do roteirista George Pérez.

A artista ainda trabalhou nas histórias Vidas Breves nas edições #41-49 de Sandman, e “O Parlamento das Gralhas” na edição #40 (parte da coleção Fábulas e Reflexões). E também produziu versões infantis de Morte e Morpheus, dois dos Perpétuos, baseados nos personagens clássicos dos quadrinhos Sugar e Spike.

A próxima artista anunciada, é a ilustradora e roteirista francesa Margaux Motin, que iniciou sua carreira na primeira década dos anos 2000, quando ilustrava charges para a revista Muteen (seção “Eu testei”), além de outras publicações e para publicidade.

10-single-default

Em 2008, ela criou um blog para expôr suas artes, com seu humor bárbaro, com tiras sobre sua vida na casa dos trinta, sendo êxito imediato, fazendo com que no ano seguinte ela publicassem sua primeira coleção de ilustrações, como “J’aurais adoré être ethnologue“, e posteriormente e “La Théorie de la contorsion” (ambas pela Marabout). Placas Tectônicas é seu primeiro livro publicado no Brasil.

Esses são alguns dos anúncios que irão abrilhantar o coração da primeira CCXP Worlds, aproximando os fãs de seus ídolos de uma maneira singular e significativa, trazendo grandes e novos nomes da cena quadrinística para o palco da maior comic-con do mundo, mesmo sendo digital.

Por Patrícia Visconti

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s