Arquivo da tag: sociedade

[Cabine da Pipoca] O Florista e o extermínio das pragas sociais

Levando em conta que no mês passado foi celebrado o “Mês do Orgulho LGBT”, o curta mato-grossense, “O Florista”, que apesar de ter estreado em 2012, ganhou visibilidade novamente neste ano, após a apresentação no MIS – MS (Museu de Imagem e Som – Campo Grande/ MS) e depois foi disponibilizado ao público gratuitamente através do Youtube. Continuar lendo [Cabine da Pipoca] O Florista e o extermínio das pragas sociais

[Cabine da Pipoca] Corra! – Um drama antiracial e subversivo

Será que a sociedade atual cessou o todo o racismo que os nossos antepassados tinham? Talvez não, podemos todos conviver “numa boa”, mas a diferença e o preconceito sempre existirá com quem é diferente de um determinado grupo. Continuar lendo [Cabine da Pipoca] Corra! – Um drama antiracial e subversivo

[Total Flex] Rádio Geek traz irreverência ao público “geek” na #CPBR10

radiogeek_cpbr10

A 10ª Campus Party Brasil está fazendo jus ao seu nome, uma grande festa no campus, com muita tecnologia, interação, conectividade e irreverência dos campuseiros presentes e também da diretoria do evento.

Dentre essas novidades, uma tem mostrado bastante reciprocidade com os presentes na CPBR10, que é a Rádio Geek, que trouxe ao evento mais de 80 atividades, entre shows e transmissão ao vivo.

Continuar lendo [Total Flex] Rádio Geek traz irreverência ao público “geek” na #CPBR10

[Cyber Cult] Equipes formam o ‘Big Hackathon’ em prol ao desenvolvimento social

xundp-br-big-hackathon-2017-png-pagespeed-ic-6is8-4tobv

Na 10ª edição da Campus Party Brasil, o evento mais tecnológico do país traz uma novidades aos futuros designers e programadores, já que neste ano a convenção apresenta o ‘The Big hackathon’, que acontecerá entre as centenas de atividades na CPBR. Continuar lendo [Cyber Cult] Equipes formam o ‘Big Hackathon’ em prol ao desenvolvimento social

[Caixa de Som] BTRX apresenta coletividade e igualdade em seu novo álbum

btrx02

Formada na capital paulista a banda BTRX, com a pronúncia ‘beatrix’, está lançando seu novo compacto intitulado “Motirõ”. Um nome de origem indígena, que tem como proposta a coletividade, onde o foco principal são os ambientes urbanos, com referências na cidade e relações do cotidiano, qual seus integrantes estão inseridos. Continuar lendo [Caixa de Som] BTRX apresenta coletividade e igualdade em seu novo álbum

[Caixa Flex] Vão do MASP se transforma numa arena musical até Dezembro

Foto por: Pedro Ladeira
Foto por: Pedro Ladeira

Quem passa pela avenida Paulista sempre encontra músicos mostrando sua arte e obra ao decorrer da via, sempre tocando por amor a música e não para obter lucro ou fama, porém a partir desta quinta-feira, a música vai se concentrar no Vão do Masp, no projeto “Mùsica no Vão”, onde reunirá diversos artistas de vários nichos musicais, e ainda com uma feirinha gastronômica, resgatando a proposta de Lina Bo Bardi – arquiteta de projetou o MASP – para o espaço, transformando-o num lugar de lazer e convivência a comunidade. Continuar lendo [Caixa Flex] Vão do MASP se transforma numa arena musical até Dezembro

[FOTOGRAFIA] Vitrines Mortas

image

Quando a madrugada adentra, as vitrines do centro da capital paulista são invadidas para fazer uma crítica ao Feminicídio, a Mercantilização do corpo e mente das Mulheres, e também a vampirização dos mesmos, desmistificando o capital patriarcal.

Um projeto integrado ao Vulvar, tem como proposta das Mal-Amadas Poéticas do Desmonte Grupo de Teatro Feminista da Cooperativa Paulista de Teatro. “Vitrines Mortas” as mulheres são peças de vitrines, mas bem distinta do que como são mostradas nas passarelas e mostruários da moda.

As apresentações acontecem duas vezes por mês, sendo a próxima ocorrerá no dia 29 de Abril, a partir das 18h, na rua Cel. Xavier de Toledo, 210/ sala 112, em frente ao metrô Anhangabaú. Sempre com uma análise crítica e social da maneira que a mulher é exibida na sociedade.

image

image

image

image

Por: Patrícia Visconti

[Total Flex] PIRATAS: Na luta pela democracia e direitos iguais para todos

12345535_1211238328903674_2206086909717960431_n

Em tempos em que o país se divide por partidos, mas roubam unidos do povo, um novo “partido” pode ser a diferença em prol ao direito de privacidade e a favor do respeito ao domínio público.

partido-pirataO Partido Piratas, ou simplesmente PIRATAS, surgiu em 2006 na Suécia, chegando no Brasil no final de 2007 a partir da rede internacional de Partidos Piratas, mas somente foi oficializado durante a Convenção Nacional de Fundação, em 2012, na capital pernambucana.

Um dos membros do partido e programador, Filipe Ricardo, 28, de São Manuel, interior de São Paulo e ele nos contou um pouco do significado e os anseios do partido, que pretendem alcançar o registro do TSE em breve, para poder disputar as eleições e competir de igual para igual junto aos já existentes e pouco eficiente.

“Na fundação foi definido por votação majoritária que o nome oficial do partido seria “Partido Pirata do Brasil”, a sigla do partido seria “PIRATAS”, e que seu futuro número de votação seria o 42”, explica Filipe.

12227017_1209291929098314_1114251673826793376_nO partido dita que as políticas públicas devem ser construídas de forma efetiva, participativa e colaborativa, visando a democracia de forma transparente, aprimorando as ferramentas que garantem o empoderamento dos cidadãos, lutando em defesa pelos direitos humanos, a luta pela diversidade social, a garantia de liberdade de crença e descrença, a proteção dos direitos civis, o respeito à privacidade dos indivíduos e à liberdade de expressão.

Segundo Filipe, o partido acredita-se; “que pode existir um ponto de equilíbrio entre o produtor e o consumidor de cultura, modelos de produção cultural que evitem os atravessadores – como a indústria fonográfica tradicional – e a incidência de imensa carga tributária sobre material cultural, que encarecem preços e dificultam o acesso a cultura”. Tornando todos os serviços públicos essenciais para todos e com qualidade, com acesso a informação, inclusão social e digital.11407157_1104891902871651_2291860870255861005_n

Todavia para que o PIRATAS torna-se oficial um partido eles precisam coletar 500 mil assinaturas e depois valida-las junto ao cartório eleitoral, mas infelizmente eles ainda não conseguiram todas as desejadas, já que ainda não há uma previsão para que essa coleta seja encerrada, porém para saber mais sobre essa campanha, basta acessar o site oficial do PIRATAS.

430011_512558392105008_509701420_n

As cláusulas pétreas do PIRATAS são:

I – a defesa dos direitos humanos e das liberdades civis;
II – a defesa do direito à privacidade;
III – a defesa ao acesso livre à informação;
IV – a defesa do acesso e compartilhamento livres de cultura e conhecimento;
V – a transparência pública;
VI – a democracia plena;
VII – o Estado Laico;
VIII – a liberdade de expressão;
IX – a colaboratividade;
X – a igualdade de gênero, em todas as suas expressões;
XI – o combate a todas as formas de discriminação;
XII – o combate a todas as formas de autoritarismo;
XIII – a defesa do direito inalienável de resistir à opressão;
XIV – o internacionalismo;
XV – a defesa do ativismo hacker;
XVI – o gozo pleno dos direitos inerentes à cidadania, inclusive políticos, ativos e passivos, independente da nacionalidade;
XVII – a plena autodeterminação individual;
XVIII – a neutralidade da rede.

Para conhecer e saber mais sobre partido acesse: partidopirata.org

Por: Patrícia Visconti

[Caixa de Som] James Bantu transmiti suas percepções sociais com muita rima e poesia

10478217_519771304815933_8999626670008189347_n
Foto por: Tiago Santos

Paulistano, rapper, poeta, instrumentista, dançarino e compositor, James Bantu é o que podemos chamar de um artista completo.

10537162_545144058945324_3302722565606122399_nCom sua voz doce e sutil, faz árduas críticas sociais, dando voz àqueles que nunca são ouvidos pela sociedade atual, mostrando que nem só de pobreza e sofrimento vive a periferia das grandes cidades, onde a festa e as brincadeiras fazem parte da arte e da história dessa gente, afinal, não é só nos grupos elitistas que há cultura.

JBSuas letras autorais influenciado pelos rappers estadunidenses, mas mixando com o estilo e jeitinho brasileiro de impôr cultura negra em seu estilo, sempre com muita rima, afinação e harmonia, em estilos que vão além do RAP, mas também passando pelo soul, funk e pop em suas canções.

Estudou canto e dança na Escola Técnica de Artes de São Paulo, onde lá absorveu todo conhecimento para ser um multiartista e levar sua arte e sua música além das fronteiras que ele vivência, mas para lugares que ninguém o conhecia.

JB 2

Um artista nato, de um carisma ímpar que transpira poesia e conquista seu público com suas canções, arte e percepções filosóficas, histórias negras cotidianas, discursos refinados de identidade e outras sutilezas.

Conheça, ouça e veja um pouco do trabalho de James Bantu:

Para saber mais sobre esse grande propagador da cena do rap do nacional atual acesse:

Facebook | Twitter | Instagram | SoundCloud

Por: Patrícia Visconti