“The Beatles – Get Back” chega veraz e musical ao Disney+

poster-do-documentario-the-beatles-get-back-foto-divulgacao-disney-widelg-600x400

Em 1960, quatro garotos de Liverpool se reunia para criar uma da qual seria uma banda que tornaria um fenômeno mundial, e que mesmo ao passar dos anos, conquistaria uma legião de fãs ao redor do mundo. Esses, eram The Beatles, que inovou e revolucionou o jeito de de apresentar e expor suas canções, com seus ritmos harmoniosos e suas letras significativas.

260684087-3089013944677363-8387885095196880537-n

John, Paul, George e Ringo eram apenas garotos quando saíram da portuária cidade Inglesa, e conquistaram o mundo se tornando referência e influência por gerações, fazendo com que suas músicas atravessem continentes, épocas e pessoas, e chegasse ao Hall dos célebres do Rock and Roll, contagiando e interagindo diretamente, cativando seu público, que os difundem até hoje.

E visando essa difusão, o diretor Peter Jackson, que é um fã assíduo da banda, resolveu homenageá-los em algo que ele está interligado, que é o cinema, e então, resolveu lançar um documentário musical sobre o talento inigualável e a sagacidade de que eles tinham em ser eles mesmos, e conquistar multidões por onde quer que passavam.

O documentário, “The Beatles – Get Back”, reúne imagens dos The Beatles no estúdio durante as gravações do álbum “Let Be”. Neste, mostra quatro garotos apaixonados por música, com seus cadernos de composições em mãos e seus instrumentos, tocando, brincando, se divertindo e sendo apenas eles, sem mostrar como os ídolos inimagináveis no pedestais, como a mídia e os fãs o colocavam. E ainda, o filme mostra a performance que a banda fez em cima do telhado do Twickenham Studios, aonde gerou muito caos e exaltação, contando até mesmo a a presença da polícia, que foi chamada devido ao barulho que faziam pela vizinhança. Além é claro, de muita música inédita (para época), em uma apresentação que rompeu paradigmas e mostrou uma faceta descontraída e de plena diversão dos The Beatles.

O filme, de Peter Jackson, era para ser lançado em 2019, como um longa-metragem, e assim, celebrar os cinquentenário da performance da banda no telhado do estúdio, mas por alguns problemas de gravações e imagens que estariam inclusas, e depois, devido a pandemia, a produção foi adiada. No entanto, essa pérola não ficaria perdida, e a Disney Studios se juntou ao diretor, e dividiu o longa em capítulos, e levou aos fãs uma experiência sem igual, conhecendo precisamente uma das maiores bandas do Planeta, com suas peculiaridades e hilaridades, somada a muita personalidade e conexão inerente entre eles, convertendo acordes em sucessos memoráveis.

A série documental leva o mesmo nome da canção Get Back, que faz parte do álbum Let It Be, o 13ª disco da banda, gravado entre janeiro de 1969 e março/abril de 1970, lançado dia 8 de maio de 1970, após o disco Abbey Road (último disco gravado) e juntamente com o documentário com o mesmo nome. Inicialmente estava previsto chamar-se Get Back, que na produção de Jackson, conta toda essa história da mudança do nome.

A origem desse disco surgiu do Paul McCartney, que teve a ideia de gravar planejando ser uma voltas às raízes, então McCartney que tinha grande vontade de ver The Beatles tocando ao vivo novamente, essa ideia não agradou alguns integrantes, principalmente o George Harrison, que chegou a declarar a sua saída da banda. John Lennon sem se importar muito ameaçou chamar Eric Clapton para o lugar dele, mas McCartney não concordou por achar que os Beatles sempre seriam os quatro e mais ninguém.

The-Beatles-Get-Back-Imagens-Ineditas-1024x576

Mas mesmo com algumas desavenças, o disco foi lançando, na Inglaterra saiu pela Apple Records com distribuição da EMI, originalmente no formato de um LP de capa dupla de edição limitada, acompanha em box-set por um livro muito elegante, cheio de fotos da gravação e meses após sendo relançado com uma capa de LP simples.

Já nos Estados Unidos, o disco foi lançado com a capa simples, também pela Apple Records, mas como a United Artist estava distribuindo o filme com o mesmo nome, eles tinham o direito de distribuir o LP também. Então as canções “Let It Be” e “Get Back” foram lançadas como singles no Reino Unido, mas em versões diferentes das encontradas no álbum – “The Long and Winding Road”, lançada como single nos EUA.

260902181-282183617183936-1795771814111936839-n

Para celebrar essa estreia do DisneyPlus, o estúdio realizou no Cine Marquise, em São Paulo, uma premiere em São Paulo, assim como teve em Londres, com a presença dos Beatles, Paul McCartney e Ringo Starr, e também em Nova York, nos Estados Unidos, do documentário “The Beatles – Get Back”, que contou com diversos fãs da banda, que esperaram por essa produção a quase 30 anos, mas que finalmente foi lançado, dirigido por Peter Jackson, o filme utiliza imagens captadas em janeiro de 1969 por Michael Lindsay-Hogg, incluindo várias sequências inéditas feitas durante os ensaios e as sessões de gravação do álbum Let It Be.

Originalmente era para ser um filme, mas agora é um documentário separada em três partes disponível no Disney+, serão três episódios que teve sua estreia nesta quinta-feira (25) e vai até o dia 27 de Novembro na plataforma de streaming.

Por Patrícia Visconti feat Priscila Visconti

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s