“Ultraje – O Filme”: Originalidade e espontaneidade é soma do sucesso

35463409_1854260244611760_5600789361466540032_n
Fotos por Dantas Junior

No última sábado (17), aconteceu a estreia do documentário de uma das maiores bandas do rock nacional, dentro do festival In-Edit Brasil, no Cine Olido, no centro de São Paulo.

Apesar do frio que estava no fim de semana, o público esteve em peso para conferir uma das maiores bandas do rock nacional em um documentário, simples, direto e muito divertido, com direção de Marc Dourdin, com roteiro de Daniel Chaia e um elenco de músicos e produtores de alto nível musical, com uma bagagem peculiar em suas carreiras. Encabeçado pelo líder Roger, Edgard Scandurra, Carlo Bartolini, Leospa, Maurício Defendi, Sérgio Serra, André Midani, Pena Schmidt, Liminha, Heraldo Paarmann, Flávio Suete, Sérgio Petroni, Cacá Prates, Rafael Ramos, Bacalhau, Mingau, Marcos Kleine.

O filme trouxe mais do que a história de uma banda, mas o sonho de um jovem músico em difundir seu dom, compartilhando com músicas irreverentes, algumas até um pouco com duplo sentido, mas que no final, todos cantam e se divertem, como se fossem eternas crianças, apenas sendo eles mesmos, sem se preocupar com o que os outros irão dizer.

Ultraje a Rigor foi criada para ser autêntica e original, sem pensar muito em seguir regras ou padrões estipulados pelas produtoras ou gravadoras, serem eles mesmos, eternos garotos que querem fazer um som no porão, mas ao mesmo tempo mostrar para o mundo inteiro. Mesmo que o céu seja o empecilho para chegar lá, ou tenha o Frederico para cuidar.

O que importa é fazer hits que contagiam e discos que mostrem sua verdadeira essência, numa mistura de rockabilly, pop e new wave, além de umas letras engraçadas e repletas de jogadas inteligentes de Roger Moreira, fazendo a alegria para todas as idades.

35508702_1854260227945095_585228489951543296_n
Fotos por Dantas Junior

Dourdin transmitiu cada frame, cada momento, como um diário de bordo da banda, aonde os integrantes se abriram e falaram de forma leal e autêntico os prós e contras de terem feito parte da banda, sem mimimi ou nhe nhe nhem, apenas sendo os mesmos garotos de 30 anos atrás, que quebravam hotéis ou paravam a Avenida Paulista, numa performance exclusiva no meio da tarde, de uma semana qualquer da rotina da cidade.

Cantando músicas que marcaram gerações e atravessaram épocas, mesmo que o estilo estivesse “meio em baixa”, eles nunca deixaram de seguir sonho, fazer música e mostrar o talento em ser inigualável e singular, dentre num mundo onde todos querem ser igual a todo mundo.

35485986_1854260211278430_5760759941006622720_n
Foto por Dantas Junior

Ultraje mostra essa originalidade não apenas em suas canções, mas no jeito em se portar e até mesmo de fazer brincadeiras entre os integrantes, fazendo com que o árduo momento pela conquista da fama, se torne mais leve, divertido e agradável.

Além do filme, a banda presenteou o público com uma apresentação excepcional ao término, tocando seus hits mais exitosos, o Ultraje a Rigor fez a plateia pular e cantar cada refrão vorazmente, com aquela mesmo afeição da banda no começo, lá em 1980 e trá lá lá, mostrando jovialidade e a espontaneamente ímpar que só eles sabem fazer ao subir no palco.

Confira abaixo um pouco do que foi a exibição do documentário e o pocket show do Ultraje a Rigor no sábado:

 

Por Patrícia Visconti

Anúncios

Uma consideração sobre ““Ultraje – O Filme”: Originalidade e espontaneidade é soma do sucesso”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s