“Luna Nera” – A revolução das bruxas na época da opressão divina

IMG-20200214-WA0044

Em uma época que o catolicismo fervoroso e radical dominava a Terra, em pleno século 17, num pequeno vilarejo na Itália, uma jovem parteira recebeu uma acusação arbitrária após a morte de um recém nascido. Esta jovem é Aden, que foge pela floresta apenas com seu irmão e encontra um refugio numa comunidade de bruxas.Desde então, Ade vive uma rotina de aventura e desventura sobre um drama misterioso que envolve sua mãe e o futuro dela e de seu irmão Valente.

IMG-20200214-WA0049

Mas, o que ela não esperava era se apaixonar por Pietro, estudante de medicina e filho do maior caçador de bruxas do povoado, o que levará Ade a um grande dilema em sua vida, entre o amor proibido e se tornar líder do misterioso grupo de bruxas. Porém, dentre caças e caçadas uma reviravolta há de se pôr em prova, e um segredo íntimo de sua mãe é revelado, aonde os mistérios e contradições da vida da jovem são escancaradas e mostrados por uma outra visão, e a liderança que achava que poderia ser sua, na verdade se passa para seu irmão, em uma magia de salvação e proteção sob a vida de Valente.

IMG-20200214-WA0047

Luna Nera é uma trama extremamente coesa em que as mulheres são as principais argumentações e combatentes, afinal a própria série tem em sua produção mulheres atuando.

Numa produção em que as mulheres representam fortemente suas virtudes em tempos em que iam contra o patriarcado e a Igreja eram excumulgadas e atraeadas fogo em praça pública, para mostrar que os diferentes eram impuros e não pertenciam ao Deus deles, quando na realidade elas apenas faziam revolução por serem si mesmas, Em tempos de dura repressão.

IMG-20200214-WA0048

A trama é baseada na obra homônima de Tiziana Treana, que comentou a um portal que o seriado é um regresso ao gênero de ficção científica, fantasia e horror, permitindo uma exposição de temas complexos, mas sem clichês sobrecarregados.

O roteiro foi escrito por Francesca Maniere, Vanessa Picciarelli e Laura Paolucci, e a direção ficou por conta de Francesca Comencini e Paola Randi.

Por Patrícia Visconti

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s