O Resgate do Soldado Ryan

images-88

A Segunda Guerra Mundial já foi representada em diversos filmes, mas em O Resgate do Soldado Ryan é que se tem uma das sequências mais realistas e agoniantes que o cinema já fez.

Em seus 30 minutos iniciais o filme retrata o Desembarque na Normandia, mais precisamente na praia de Omaha em junho de 1944. Acompanhamos o capitão John H. Miller ( Tom Hanks) enquanto ele e seus companheiros chegam ao continente surpreendidos pelo ataque dos rivais nazistas.

Não conhecemos os personagens, não sabemos ainda nem seus nomes, mas logo nos importamos. Nos é mostrado com frieza a situação que estão passando, vemos os corpos caindo baleados, soldados chorando, implorando por suas mães, seus lares, e o capitão tentando lidar com aquela situação enquanto solicitam seu auxílio.

O poder gráfico dessas cenas iniciais é traduzido no impecável trabalho de som que aposta nos sons diegéticos, os tiros, gritos e as súplicas dos combatentes.

Depois das tomadas iniciais, o ritmo do filme se acalma um pouco. Agora com a situação já controlada e a batalha terminada o capitão juntamente com seu grupo recebem uma missão, a de encontrar o soldado James Francis Ryan (Matt Damon), caçula de 4 irmãos onde 3 morreram em combate, e garantir seu retorno pra casa.

O capitão segue então, acompanhado de 7 homens para missão. Agora eles se veem em uma jornada defrontando com o inimigo e com alguns aliados em busca do soldado.

Assistimos os dramas daqueles homens, seus medos, suas dúvidas em relação a missão, afinal, para que arriscar a vida de oito homens para salvar um ?… A determinação do capitão é o que move o grupo, sua busca em concluir a missão e ao mesmo tempo proteger os soldados, mesmo nos momentos de desavenças ou perdas, é que garantem a união da equipe. Até enfim chegarmos ao confronto final com os nazistas, tão grandioso como no início.

O trabalho de fotografia de Janusz Kamiński, acizentado, triste, beirando o preto e branco é essencial para a imersão no filme, para transmitir a aflição da guerra. A cor que vemos, como por exemplo o amarelo da cena ao por do Sol, nos remete à esperança dos soldados de que tudo termine.

Steven Spielberg já havia feito com maestria a imersão na guerra com A Lista de Schindler (1993) lá vimos a tristeza e a brutalidade do holocausto. Já em O Resgate do Soldado Ryan (1998) o diretor apresenta outro trunfo ao retratar com tanta força a trajetória dos homens que morreram em nome de seus países e da paz.

 

Por Lucas Aaron

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s