Sérgio – As diferentes faces de um diplomata

AAAABRy-R0a-Ag-DSvgg0z72ux-C3-Rql-E4-Eph-By-Kyi-S7-GXJAWr-Wau-Lyi-M8w-Vc-TKg9-X6h-Eo-B6-ZCCGi6p-A-Ayjefy7-x0er-DCw-Yt-DU

Obras biográficas são comumente de interesse do público uma vez que, a vida privada de grandes figuras da sociedade desperta e muito a nossa curiosidade.

O diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello, com certeza, é o tipo de personagem da vida real que merece ter sua história contada, e assim aconteceu em 2018 no documentário Sergio Vieira de Mello – O legado de um herói brasileiro, e mais recentemente no filme Sérgio produzido pela Netflix em 2020.

Na produção do serviço de streaming acompanhamos por uma abordagem mais “romantizada” a história e feitos do simpático e audacioso Sérgio. Com uma carreira de 34 anos como funcionário da ONU e defensor assíduo dos direitos humanos, o filme nos de a oportunidade de conhecer mais intimamente o diplomata carioca.

O enredo da trajetória de Sérgio já bem conhecido pelo diretor Greg Barker (que também dirigiu o documentário sobre o diplomata) não traz nada de inovador para o formato biográfico, mas acerta na maioria do tempo na condução da narrativa. Em Sérgio, a história é contada ao contrário, ou seja, inicialmente acompanhamos os momentos finais da vida do personagem no Iraque logo após um atentado terrorista contra a sede da ONU no local.

x-Wagner-Moura-Sergio-Netflix-png-pagespeed-ic-UGUb86e-OAo

Utilizando a volta na linha do tempo o longa mescla os pontos altos da carreira de Sérgio e as questões mal resolvidas de sua vida privada, como por exemplo a relação distante com os filhos.

Infelizmente, o espectador pode ficar um pouco confuso devido á escolha de alternar épocas e acontecimentos, mas isso é facilmente esquecido, por que é durante os flashbacks, que conhecemos o romance de Sérgio e a economista argentina Carolina.

Tanto Wagner Moura na pele de Sérgio, quanto o restante do elenco desempenham um bom trabalho, entretanto é a química entre Moura e seu par Ana de armas o ponto alto da produção, que rende para o telespectador minutos de tela bastante convincentes e apaixonados.

wagner-moura-e-ana-de-armas-em-cena-do-filme-sergio-1585174803866-v2-1777x999

Fora a relação do casal, outros recortes marcantes já esperados para a construção de um personagem “herói” são os momentos em que Sérgio deixa transparecer seus traços mais humanos e bondosos, em especial em sua passagem pelo Timor Leste. Seja fora ou dentro do cinema, ninguém pode negar a importância, ousadia e lamentável perda de Sérgio Vieira de Mello.

Embora, no filme a sua história tenha ganhado um ar um pouco genérico de Hollywood e as controvérsias e complexidades ligadas as suas missões tenham sido deixadas de lado, ainda assim temos um retrato bem próximo do real.

No geral, o longa-metragem é apenas bom, porém não deixa de ser uma excelente oportunidade de conhecer e homenagear uma das personalidades brasileiras mais relevantes no cenário internacional.

 

Por Gabriela Ruiz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s