Arquivo da tag: literatura

[Cantinho Literário] Cartunista Quino – O Pai da pequena Mafalda

QUINO e MAFALDA

Já que neste mês foi dedicado ao especial da Mafalda e em julho é aniversário de seu pai, então vamos como encerrar junho falando sobre o cartunista argentino mais famoso do mundo, o grande Joaquín Salvador Lavado Tejón, mais conhecido como Quino. Um pensador, historiador gráfico e criador do desenho mais famoso de toda a Argentina e do mundo.

Quino é filho de imigrante espanhóis de Andaluzia, mas ele nasceu na província de Mendonza, na Argentina, em Guaymallén, no dia 17 de julho de 1932, que sempre deve o gosto pela arte do desenho, já que desde os 3 anos o pequeno Quino, apelido dado por seus familiares, para diferencia-lo de seu tio.

Quino perdeu seu pai e sua mãe, muito próximo um do outro, sua mãe faleceu em 1945 e seu pai em 1948 e no ano seguinte ele abandona a Faculdade de Belas Artes com a intenção de se tornar um autor de banda desenhada, e logo vendeu o seu primeiro desenho animado, um anúncio de uma loja de seda. Tentou encontrar trabalho no editorial Buenos Aires, mas não consegue. Depois de fazer o serviço militar obrigatório em 1954, estabeleceu-se em Buenos Aires em condições precárias.

A sua primeira página no humor semanal Isto é, de logo se seguiram outras editoras: Leoplán’ TV Guide, Ver e Ler Damas y Damitas’, Usted, Panorama, Adam, Atlântida, Che,no jornal Democracia, etc. Em 1954 começou a publicar regularmente no Rico Tipo e no Tia Vicenta e Dr. Merengue. Logo depois começa a tirar fotos de publicidade.

Publicou as suas coleções primeiro mo livro “Mundo Quino” em 1963, e logo surgiram algumas encomendas para algumas páginas numa campanha de publicidade encoberta por Mansfield, uma empresa de electrodomésticos.

Sua obra mais famosa é a tira cômica Mafalda, publicada entre os anos de 1964 e 1973, que eram editadas em tiras nos jornais, em que Mafalda questionava todos os problemas políticos, gêneros, até os científicos que afligiam sua alma infantil e, ao mesmo tempo, refletia o conflito que as pessoas da época enfrentavam, sobretudo com a progressiva mudança dos costumes e a já incipiente introdução da tecnologia no cotidiano.

quino-y-mafalda

Veja abaixo um exemplo de algumas tiras onde Mafalda ouve no rádio:

“O Papa fez um chamado à paz”
E, com sua ingenuidade infantil, responde ao aparelho:

“E deu ocupado como sempre, não é?”

Apesar de ter sido interrompida ainda no começo dos anos 1970, Mafalda possui uma legião de fãs, e o trabalho de Quino ainda tem reconhecimento internacional, como um dos maiores cartunistas do mundo. Quino criou vários personagens, mas a personagem mais famosa é Mafalda, uma menina de quase 8 anos que odeia sopa.

Veja abaixo a cronologia do cartunista Quino:

Quino_Foto1932: Nascido em San Jose, Mendoza, Argentina, em 17 de Julho. O mais novo dos três irmãos

1935: Quino descobre o que é a paixão de sua vida quando seu tio Joaquín (artista comercial) entretém uma noite com seus desenhos

1945: A morte de sua mãe. Nesse mesmo ano, faz parte da [Escola [de Belas Artes de Mendoza]

1948: A morte de seu pai. Deixe a Escola de Belas Artes, porque ele quer se dedicar ao desenho humorístico

1950: Desenha o seu primeiro desenho animado para a publicidade

1951: Sofre sua primeira derrota para ir para Buenos Aires e não vender suas piadas em revistas e jornais

1954 Conseguir finalmente aceitar que a primeira página de piadas sem palavras no Es Este semanal

1955 – 1959: Contribuir páginas de humor em inúmeras publicações.* 1960: Já ter um posicionamento bom trabalho como colaborador em diversas publicações casado Alicia Colombo, o seu parceiro para a vida.

1962: Faz sua primeira exposição em uma biblioteca de Londres

1963: ano crítico na vida do autor. Ele publicou seu primeiro livro coleção de desenhos animados, “Mundo Quino”, e fazer a Mafalda quadrinhos para uma agência de publicidade que o utiliza.

1964: A 29 de setembro Mafalda vê a luz no semanário Primera Plana

1965: O Diário de O Mundo começa a publicar a tira de Mafalda

1966: primeira compilação de tiras de Mafalda em um livro. A edição se esgotou em dois dias.

Quino_Mafalda

1967: No final do ano é interrompido Mafalda pelo desaparecimento do mundo. Quino, entretanto continua a desenhos animados página que vem fazendo há anos e continuaremos com ele até hoje.

1968: É retomado publicação no semanário Sete Dias. Mafalda, depois de ser publicado em alguns outros países da América Latina, apareceu pela primeira vez na Europa em uma coleção de textos e humor, realizada em Itália.

1969: “Mafalda o rebelde”, o primeiro livro dedicado ao Europeu Mafalda. Este livro publicado na Itália introduziu o Umberto Eco

1970: A partir deste ano Editorial Lumen começa a editar os livros de Mafalda, que permanecem no mercado até hoje

1971: O semanário El Triunfo, Madrid, começa a publicar seus cartuns. Mafalda se estende por toda a Europa

1972: Depois de ter assinado contratos de merchandising para evitar a especulação com o personagem, Quino assinar um contrato para uma série de animação dirigido por Mafalda Catu. Ele também publicou “Eu não gritar:” Editorial Siglo XXI Argentina. Sucesso em todo o mundo transborda Mafalda Quino.

1973: Estamos começando a divulgar as caricaturas. Em 25 de julho Quino entregues nos últimos quatro tiras e faz Mafalda e seus amigos disparou. Ele publicou seu terceiro livro sem Mafalda, “Se eu fosse você …”, Editorial Siglo XXI Argentina.

1974: Publicado em “Dez anos Mafalda”

1976: move Quino para Milão

1977: “. Declaração dos Direitos da Criança” Executa a pedido de UNICEF

1978: Quino recebe o Troféu Palma de Ouro Salão Internacional de Humor Bordighera

1979: Lançado por Quino, Glénat começar a editar tiras coloridas de Mafalda. Publica “As pessoas no seu lugar.”

1981: Em Buenos Aires abre uma característica Mafalda, a montagem de curtas feitos para a televisão, também foi o lançamento dos primeiros livros no Brasil.

1982:. O Exposição Internacional de Humor de Montreal nomeou-o Cartunista do Ano’ Publica “Nem a arte nem parte.”

1983: Executa desenhos de Mafalda para uma campanha de dentistas argentinos sobre a higiene oral. Publica “Deixe-me inventar”.

MAFALDA - QUINO1985: Desenhos para propaganda de alguns programas de nutrição, saúde e cultura do governo argentino. Publica “Quinoterapia”. Primeiros curtas-metragens produzidas e realizadas em Cuba em páginas de humor de Quino “Quinoscopio”.

1987: Publicado em “Sim, querida …”

1988: Sua cidade natal, Mendoza. distingue o título de Cidadão Ilustre Mestre da Sensibilidade, Humor e Nacional de Justiça e projeção internacional. Desenhe um cartaz para a chancelaria argentina comemora Direitos Humanos e os cinco anos de democracia na Argentina.

1989: No 25 º aniversário da Mafalda é publicada “Mafalda inédita.” Publicação do “poderoso, arrogante e impotente.”

1991: Publicados “As pessoas nascem”.

1992: Madrid é organizado na exposição “O Mundo de Mafalda”. Publica “Tudo Mafalda”.

1993: 1 edição do “All Mafalda”, Editorial de la Flor. D.G. Productions, Inc. em colaboração com a TVE produzidos 104 episódios de desenho animado Mafalda feitas por John Register em ICAIC, curtas-metragens que não tenham sido comercializadas na televisão na Argentina. Publica “Eu não estava!”, Editorial de la Flor.

1994: Milan são realizadas nos trinta anos de Mafalda com uma reunião em Circolo della Stampa, na presença de Umberto Eco, Marcello Bernardi Fulvia Serra (diretor Linus revista) e Roman Gubern (presidente do Instituto Cervantes, em Roma).

1995: A partir da publicação de páginas de Quino humor no País Semanal, o jornal de domingo o país de Madrid.

1996: Publicado na Argentina “Cuentecillos e outros distúrbios” por George Timossi, ilustrado por Filipe feita por Quino. Publicado “Quão ruim é o povo”.

1997: Obtenha um prêmio de Placa de Prata curioso, dado pela Madrid Associação dos Empregadores de restaurantes e cafés, para ajudar com demonstrações gráficas se espalhar para o prestígio e cozinha. Também recebeu o prêmio da Associação dos Ilustradores de Madrid.

1998: primeiro livro Ediciones de la Flor reissued de Quino, “Mundo Quino”, com um prefácio do autor. Distingue-se pela Ministério da Cultura, Governo da Cidade de Buenos Aires como’ Master of Arts em reconhecimento do seu trabalho. Recebe B’nai B’rith Direitos Humanos, organização que concedido anualmente a pessoas que se destacaram na promoção e proteção dos direitos humanos. Publique seu website.

1999: “. Eu não gritar” Em abril, Ediciones de la Flor reeditado o livro O Biblioteca Internacional Quino convidados a San José Costa Rica, sob os auspícios do jornal The Nation.

2000: O Livro Instituto Cubano apresenta a exposição “O Mundo de Quino” em Centro Wilfredo Lam, local da Nona Feira Internacional do Livro de Havana . Litexa Boliviana SA Quino convidados a La Paz Bolívia, por ocasião da Feira do Livro, promovido pela Lloyd Aereo Boliviano ea cidade de La Paz. Desta vez, a relação estabelecida com o público levou-o a se comprometer a frequentar a Feira do Livro.

2001: Durante Julho e Agosto faz uma exposição itinerante de humor na Bolívia. Por sua vez, em Grécia, por ocasião do quinto Humor Internacional, Quino mostra uma amostra de seus desenhos e algumas tiras de Mafalda, sob os auspícios do Ministério da Cultura da Grécia e da [ [Unesco]]. Em outubro, ele foi convidado para a International Comic Feira de Gijón. Por ocasião do Humor Gráfico exposição latino-americana, a Universidade de Alcalá de Henares é nomeado professor honorário de Humor. Em novembro, Glénat Edições e Hachette Canadá convidam Quino para 23 ° Salon du Livre de Montreal. Em dezembro, Quino foi premiado com o prestígio Humor Gráfico Quevedos, pelos Ministérios da Educação e da Cultura e dos Negócios Estrangeiros Espanha.

2002: Em setembro, ele foi convidado para expor suas obras de humor e Mafalda no “Salão Internacional 21Ème Caricatura, du Dessin de Presse et d’Humour”, Saint Just-lo Marte. Em novembro, o IILA (Instituto Ítalo-Latino Americano) e Embaixada da Argentina organizou Roma a exposição Quino “Il Padre di Mafalda tem altri figli” na Scuderie del Palazzo Santacroce.

2003: Faça uma exposição de seu trabalho e uma palestra na cidade de White Bay, Argentina. Abre o Feira Internacional do Livro de Guayaquil Equador. Em setembro, ele realizou uma exposição de seu trabalho em Biarritz, França para marcar o festival de CITA 2003. A Universidade de Guadalajara dá o prêmio-homenagem “La Catrina” e realizou uma exposição de seu trabalho.

Quino-y-Mafalda (1)2004: Abre em Milão a exposição “Viajar com Mafalda” comemorando os 40 anos desde a primeira publicação da personagem na Argentina. Em Julho, Ediciones de la Flor publica seu novo livro, “O que este unpresentable”. Em agosto, em Buenos Aires abriu a exposição “Quino, 50 anos”, celebrando 50 anos de publicação de seus primeiros desenhos de humor na revista deste Es A exposição, em seguida, mudou-se para Córdoba e Mar del Plata. Em novembro, Éditions Glénat (França) organizou em Paris uma homenagem a Quino acompanhada por uma exposição de desenhos de colegas franceses Mafalda entreter, e lançar o livro “A unpresentable presente.” Em 17 de novembro é declarado Cidadão Ilustre de Buenos Aires.

2005: A exposição “Viajar com Mafalda” é apresentado em Roma, Nápoles Zagarolo (Roma), Voghera (Pavia), Jesolo ( Veneza), Bolonha e Barcelona. A exposição “50 Anos Quino” A Argentina continua sua turnê se apresentando em Rosário Casilda, Mendoza San Rafael.

2005: Ganhou um Prince Claus Award

2007 – Presente: Retire do desenho, embora continue a publicar suas tiras.* 2008: Apresentado na parede de um metro, tiras de Mafalda.

2009: Deixe tiras publicadas no Live Journal, depois de escrever uma carta anunciando que ele deixou a revista.

2009: uma peça original com Mafalda feito para o jornal El Mundo na exposição “Bicentenário: 200 Anos de Humor Gráfico” que o Museu de Desenho e Ilustração feito no Museu Eduardo Sivori de Buenos Aires, homenageando os mais importantes criadores nos quadrinhos na Argentina através de sua história.

Quem é Quino:

quino

Nome completo
Joaquín Salvador Lavado Tejón

Nascimento
17 de Julho de 1932 (81 anos)
Argentina, San José, Guaymallén, Mendoza

Nacionalidade
Argentina e Espanha (cidadania)

Ocupação
Cartunista

Principais trabalhos
Mafalda

Prêmios
B’nai B’rith (1998)

Site
http://www.quino.com.ar/

Por Priscila Visconti (caçando pérolas da literatura do Brasil e no mundo)

[Cantinho Literário] 50 anos da pequena Mafalda

mafalda_50_aniversario

A garota mais famosa da Argentina, Mafalda completou este ano de 2014 meio século de vida, 50 anos, mas ainda continua com a mesma carinha de menininha, assim como a gorducha da Mônica, que também completou 50 anos este ano.

MAFALDA 50 AÑOS BAJAA personagem da Mafalda começou como uma tira escrita e desenhada pelo cartunista argentino Quino, que teve o nome inspirado pela novela Dar la cara, de David Viñas, e alguns outros, foi criada em 1962 para um cartoon de propaganda que deveria ser publicado no diário Clarín. No entanto, Clarín rompeu o contrato e a campanha foi cancelada. Mas Mafada só se tornou um cartoon de verdade sob a sugestão de Julián Delgado, na época o editor-chefe do hebdomadário Primera Plana e
amigo de Quino.

Mafalda começou a aparecer diariamente no Mundo de Buenos Aires, permitindo ao autor cobrir eventos correntes
mais detalhadamente. As personagens Manolito e Susanita foram criadas nas semanas seguintes, e a mamãe de Mafalda estava grávida quando o jornal faliu em 22 de Dezembro de 1967.

A publicação recomeçou seis meses mais tarde, em 2 de Junho de 1968, no hebdomadário Siete Días Illustrados. Como os quadrinhos tinham que ser entregues duas semanas antes da publicação, Quino era incapaz de comentar as notícias mais recentes. Ele decidiu acabar com a publicação das histórias em 25 de Junho de 1973.

MAFALDA - QUINO

A obra mais famosa de Quino é a tira cômica Mafalda, publicada entre os anos 1964 e 1973, editada em tiras nos jornais, Mafalda questionava todos os problemas políticos, de gênero, e até científicos que afligiam sua alma infantil e, ao mesmo tempo, refletia o conflito que as pessoas da época enfrentavam, sobretudo com a progressiva mudança dos costumes e a já incipiente introdução da tecnologia no cotidiano.

Por isso nós d’O Barquinho Cultural, queremos desejar um feliz aniversário a Mafalda e que ela continue mais 50, 60, 80 e 100 anos, animando, incentivando a leitura e também mobilizando a sociedade para tentar mudar o mundo, ficando livre de qualquer violência.

Felicidades Mafalda!!!

IMG-E97-Mafalda-Nina-50-Anos

PS: Ainda terá mais Mafalda por aqui no OBC.

Por Priscila Visconti

[Cantinho Literário] Copa do Mundo de Literatura

15439459

Foi neste clima de copa do mundo que a editora britânica Penguin montou seleções literárias com alguns países que estão participando da Copa do Mundo de 2014, afinal a literatura em um estilo que tem tudo a ver com futebol, pois ambos transmite grandes emoções.

Na seleção canarinho, só tem craque, a editora convocou clássicos como Machado de Assis e Guimarães Rosa a contemporâneos como Paulo Coelho e Daniel Galera.

copa-do-mundo-literatura

Se liga a escalação brasileira e também no time de Portugal, que ao contrário do jogo estreia com Alemanha, só tem craque de bola, pois foram convocados os melhores jogadores para seleção portuguesas, por isso aguardem no próximo jogo da seleção dos Patrícios, porque eles prometem inovar nesta copa de literária.

brazil_team_share

portugal_team_share

 

Por Priscila Visconti
Tks: Flip – Festa Literária Internacional de Paraty

[Cantinho Literário] Vai com Deus poeta!

393435_116466061804703_2022581466_n

Esta semana aqui no Cantinho Literário, será uma singela homenagem ao grande escritor, poeta e cordelista Manoel Monteiro da Silva ou simplesmente Manoel Monteiro, como assina seus trabalhos, nasceu em Bezerro, Pernambuco, no dia 4 de Fevereiro de 1937.

Nos deixou nesse final de semana, depois de ficar quase uma semana perdido de sua família. O Pernambucano de 75 anos, é um dos maiores cordelistas do Brasil, com uma extensa produção diversificada, abarcando toda a área da atividade humana, com suas métricas e rimas envolvendo suas narrativas e prendendo o leitor do inicio ao fim de seus textos.

A obra de Manoel Monteiro já está sendo aplicada na educação de Campina Grande/PB com um novo contexto, o de passar conhecimento sobre questões atuais, de forma atrativa e acessível a qualquer faixa etária, grau de escolaridade e nível social.

A literatura de cordel, ainda é bastante rica nas regiões do norte e nordeste e as obras do seu Manoel, é uma das mais utilizadas nas escolas, para ensinar os jovens de hoje, a conhecerem as métricas simples e rápidas de um cordel, para que essa literatura não se acaba assim do nada, por isso ele foi responsável pela implantação de folhetos de cordel nas salas de aula de Campina de Grande.

Todavia, Campina Grande decretou luto de três dias, em homenagem ao escritor, já que ele foi um dos grandes cordelistas em atividade dos últimos anos, deixando diversas obras, para ser estudada e ensinada nas escolas literárias, pois o poeta se foi, mas sua obra será eternizada para sempre.

Assista abaixo a matéria sobre o documentário “Manoel Monteiro – em vídeo, verso e prosa” realizado em parceria com a TV Cultura para o Programa DocTV, em 2007, no o estado da Paraíba.



Cordel composto para o lançamento do DVD do SÃO JOÃO CULTURAL que se realizará nos 13, 14 e 15 de Junho, deste ano de 2014:

1897740_498610960247720_640802125_n

…Folclore: Lembrança antiga
Da cultura popular
Qualquer folguedo que tenha
essa herança secular
Deve ser bem preservado
Para não ser apagado
Quando o futuro chegar.

Por isso em 2013
LULA CABRAL despertou
E a palavra – CULTURAL
Ao festejo acrescentou
Pois festa dessa estrutura
O que mais tem é cultura,
Disso, ninguém se lembrou…

Para conhecer mais da obra do autor, acesse a rede social do poeta:

Facebook

Vai com Deus seu Manoel Monteiro!!!

10314478_1431128753825358_5222508645110042710_n

Por Priscila Visconti

[Cantinho Literário] Ensinando as crianças com o bom e velho Rock n’ Roll

164282_10200163842112586_1182476955_n

O bom é velho Rock n’ Roll, o único estilo que é passado de geração para geração e por isso que a autora Laura Macoriello, começou uma saga de livros, para as crianças do rock, para contar um pouco da história dos grandes astros, que fazem sucesso até hoje, mesmo até aqueles que já morreram, faz mais de 40 anos, como a rainha Janis Joplin.

O livro da Laura, nasceu entre suas duas paixões, que é do rock e também por crianças, com textos simples e diretos, e com bastante ilustrações coloridas e bem feitas, para agradar os pequenos e fazer com eles ingressem no incrível mundo do rock e de seus ícones mais famosos.

Os “personagens” foram escolhidos a dedo pela autora Laura Macoriello: Jimi Hendrix, Elvis Presley, Janis Joplin, David Bowie, Angus Young, The B-52s, The Rolling Stones, Chuck Berry, Steve Harris (Iron Maiden), Ramones, Beatles, Kiss e Ozzy Osbourne.

Laura é mãe da pequena Olívia, sabe como é difícil ensinar bons hábitos para as crianças, e por isso usou a tática de mostrar os ídolos como bons exemplos, assim como, Hendrix incentiva a escovação dos dentes, Elvis recomenda cabelos bem penteados e Bowie mostra a importância de respeitar as diferenças, por isso a ideia de escrever o livro “Rock Para Pequenos”, para ensinar as crianças, de um jeito mais divertido.

O livro da Laura Macoriello, já está a venda nas grandes livrarias e também pela rede mundial de computadores, sendo um ótimo livro para quem é pai ou mãe, ensinar seus filhos a unir a paixão pelo rock n’ roll e ensinar os bons costumes e orientar a criançada para o bom caminho e sempre escutando uma boa música, como o tio Elvis Presley, ou o tio Jimmy Hendrix, ou então a tia Janis Joplin.

rock1.jpg.pagespeed.ce._dmPIdqqik rock2.jpg.pagespeed.ce.Iu99mFNWbd rock-960x539.jpg.pagespeed.ce.fnDJFXjaOy

Sinopse
“Rock Para Pequenos – Um Livro Ilustrado Para Futuros Roqueiros” é o primeiro lançamento de literatura infantojuvenil da Edições Ideal.

A temática relacionada ao universo do rock and roll vem para honrar a vocação e o direcionamento da editora, mostrando que a tradição dos bons sons pode ser cultivada desde o berço.

Onde comprar:
Saraiva | Fnac | Ideal Shop

Para mais informações sobre o livro ou para pegar algumas dicas sobre o livro, acesse os endereços da escritora Laura Macoriello:

Facebook | TwitterBlog pessoal

Por Priscila Visconti (que irei ensinar meus filhos, com os bons costumes do rock n’ roll)

[Cantinho Literário] O amor pela literatura é maior que tudo

10271550_808717519138532_368070072159946681_n

Como todos já sabem, aqui no OBC, nós propagamos a cultura alternativa, divulgamos nossos artistas de todas as áreas cultural e publicamos aqui no boletim, ou em forma de entrevista ou apenas em um simples texto e nesta semana não será diferente, afinal nossa equipe d’O Barquinho Cultural, caça pelas ruas e pela internet os artistas mais escondidos de todo o Brasil e apresentamos à tripulação mais cultural de toda WEB.

64753_390069474336674_1179194844_nNesta semana, a caça da vez é o paulistano – baiano, Inácio Bezerra Cruz Filho, ou simplesmente Cinho Cruz, que tem formação na área de eletromecânico, mas com alma de literário, pois apesar de ter cursado Técnico Eletromecânico, ele sempre sentiu vontade de ser escritor, pois sua paixão pela literatura sempre foi maior que tudo, afinal, basta acessar seu blog pessoal e ver seus contos, poemas e artigos e já predestina seu amor pela arte da escrita literária.

Então foi com essa garra e vontade, que Cinho começou escrever seu primeiro livro, “A Mulher Que Não Fala Palavrão”, com as experiências que ele teve em sua vida, morando em diversos lugares, como São Paulo, Bahia e até no Pará ele começou o trabalho da sua primeira obra, que atualmente encontra-se em diversos lugares para vender, na versão física e também digital.

Mas Cinho não quer parar só neste livro, ele já tem planos para escrever outras obras, pois seu sonho de escritor não é momentâneo, que para no primeiro exemplar, mas sim, produzir muitos e muitos livros, para propagar seu amor pela arte de escrever e a literatura em todo o Brasil, e quem sabe para todo o mundo, afinal o país precisa cada vez mais, de escritores que amam a literatura de corpo, alma e coração e não só de escritores que só visam o lucro e não estão nem ai para a importância desta arte tão rica e ao mesmo tempo, tão esquecida por muitos brasileiros.

10174879_808717819138502_6176785125938196689_nVeja a sinopse de A Mulher Que Não Fala Palavrão, de Cinho Cruz:

“Helena é uma mãe solteira em busca da esperança de conseguir um emprego em uma cidade fictícia chamada Parauabape – a história tem um fundo de realidade – que é conhecida como a CIDADE DO MINÉRIO, mas é lá que a sua esperança se torna um pesadelo.

Ela conhece um rapaz chamado Márcio, que trabalha em uma empresa de mineração, e eles têm um relacionamento sério, apesar de serem muito diferentes.

Eles sentem a dificuldade de viver em uma cidade violenta e doente, mas com muito esforço, conseguem lutar contra o preconceito por serem tão distintos.

Correndo contra o tempo, Helena tenta mostrar o seu valor como mulher e, diferente das outras, ela não falava palavrão. Mesmo assim, ela vai em frente com toda a sua esperança.”

Assista abaixo o trailer do livro:

Contatos do escritor Cinho Cruz:

Blog Pessoal | Facebook | YouTube

Mais informações sobre as vendas do livro, A Mulher Que Não Fala Palavrão:

SARAIVA DIGITAL | CLUBE DE AUTORES

A lei da cidade: “Se você não mudar, vai morrer ou a família sofrerá.”

Por Priscila Visconti

[Cantinho Literário] Os gaúchos estão em festa, com a Festi Poa 2014

10338314_835110156516327_6185586196897626074_n

Já estavámos com a pauta pronta pra confeccionar o texto de hoje, quando recebemos imagens da Festa Literária de Porto Alegre, então não teve outra, deixamos a outra a pauta cair, só para abrirmos exceção para a 7ª edição da Festi Poa, que são apenas uma semana de evento e também abre as notas das festas literárias, que iremos passar, até a Flip, que acontece este ano de 2014, entre os dias 30 de julho a 3 de agosto, devido a Copa do Mundo. Mas vamos ao que interessa e ‘vamô que vamô’, porque está aberta a temporada de festas na literatura.

Para começar a festança literária, para esquentar pra Flip (Feira Literária Internacional de Paraty), começou nesta segunda-feira, no Sul do país, Rio Grande do Sul, Festi Poá, (Feira Literária de Porto Alegre), que já está em sua sétima edição, com muita literatura, poesia, lançamentos de livros e também debates ao vivo, com os escritores convidados ao evento.

A sétima edição, ocorre dos dias 19 a 25 de maio, em diversos locais da capital gaúcha, que já está consolidado no calendário da cidade como uns dos principais eventos culturais, divulgando a literatura contemporânea de modo informal e acessível à todos e nesta edição o homenageado da vez, é o escritor pernambucano Marcelino Freire e a ficcionista e jornalista Cíntia Moscovich desempenhará o papel de escritora-anfitriã ao longo dos sete dias da festa literária.

Nos sete dias da Festa Literária apresenta uma programação artística variada, concedendo espaço tanto a escritores consagrados, quanto a autores da nova geração, e oferecendo ao público leitor, as atividades, que são na maioria gratuitas, palestras, debates, oficinas e cursos.

Entre os mais de sessenta convidados, destaque para Marcelino Freire, Altair Martins, Cíntia Moscovich, João Silvério Trevisan, José Luis Peixoto, Helene Hegemann, Cláudia Tajes, Lourenço Mutarelli, Fausto Fawcett, Paulo Scott, Carol Bensimon, Zé Adão Barbosa, Fabiana Cozza, Miró da Muribeca e Sérgio Vaz.

As atividades acontecerão em vários pontos da cidade, como o Instituto Goethe, Palavraria, Casa de Cultura Mario Quintana, Bamboletras, Sintrajufe-RS, Espaço Cultural 512, Casa de Teatro, Café Fon Fon e Bar Ocidente, com diversas atrações. Confira a programação do evento abaixo:

PROGRAMAÇÃO

DIA 19/05 | SEGUNDA-FEIRA
Mesa 1 – 18h30: CÍNTIA MOSCOVICH, WILSON FREIRE e LOURENÇO MUTARELLI conversam com MARCELINO FREIRE, homenageado da FestiPoa

Local: Goethe Institut – Rua 24 de Outubro, 112

Lançamentos – 20h: VOLVER, revista de arte e literatura | Nossos ossos, de Marcelino Freire

Local: Goethe Institut – Rua 24 de Outubro, 112

Leitura | A melhor maneira de dizer tudo em 6 minutos
20h54 – MIRÓ DA MURIBECA
Local: Goethe Institut – Rua 24 de Outubro, 112

Show
21h – CANTOS NEGREIROS.
Espetáculo de literatura e música, com FABIANA COZZA e MARCELINO FREIRE
Local: Goethe Institut – Rua 24 de Outubro, 112

DIA 20/05 | TERÇA-FEIRA
Leitura | A melhor maneira de dizer tudo em 6 minutos
18h24 – LIMA TRINDADE
Local: Casa de Teatro de Porto Alegre – Rua Garibaldi, 853 – Bom Fim

Mesa 2
18h30 – Entrevista aberta com JOSÉ LUIS PEIXOTO. Mediação: REGINALDO PUJOL FILHO
Local: Casa de Teatro de Porto Alegre – Rua Garibaldi, 853 – Bom Fim

Mesa 3
20h – Sexo na literatura. Bate-papo com FAUSTO FAWCETT e CAROL TEIXEIRA. Mediação: CARDOSO (ANDRÉ CZARNOBAI)
Local: Casa de Teatro de Porto Alegre – Rua Garibaldi, 853 – Bom Fim

Lançamento
18h às 21h – LEO FELIPE lança o livro “A fantástica fábrica”
Local: OX/Ocidente – Avenida Osvaldo Aranha, 960 – Bom Fim

Sarau elétrico *
21h – KATIA SUMAN, LUIS AUGUSTO FISCHER, CLÁUDIO MORENO e CLÁUDIA TAJES
Local: OX/Ocidente – Avenida Osvaldo Aranha, 960 – Bom Fim

DIA 21/05 | QUARTA-FEIRA
Leituras
17h a 18h – LEITOR DE RUA. Coordenação: MARÔ BARBIERI
Local: Palavraria – Rua Vasco da Gama, 165 – Bom Fim)

Mesa 4
18h30 – LUISA GEISLER, WILSON FREIRE, LIMA TRINDADE conversam sobre suas obras. Mediação: REGINALDO PUJOL FILHO
Lançamentos de “Única voz”, de Wilson Freire, e “O retrato ou Um pouco de Henry James não faz mal a ninguém”, de Lima Trindade
Local: Palavraria – Rua Vasco da Gama, 165 – Bom Fim

Leituras de poemas e lançamentos
20h – PAULO RIBEIRO, MIRÓ DA MURIBECA e RODRIGO GARCIA LOPES participam de leituras e lançam os livros “O passo do socorro”, “Miró até agora” e “Estúdio realidade”
Local: Palavraria – Rua Vasco da Gama, 165 – Bom Fim

Show
22h – CANÇÕES DO ESTÚDIO REALIDADE com RODRIGO GARCIA LOPES
Local: Café Fon Fon – Rua Vieira de Castro, 22 – Farroupilha

DIA 22/05 | QUINTA-FEIRA
Mesa 5
18h30 – Axolotle e os caubóis. Conversa de HELENE HEGEMANN e CAROL BENSIMON. Mediação: KATIA SUMAN
Local: Goethe Institut – Rua 24 de Outubro, 112

Leitura | A melhor maneira de dizer tudo em 6 minutos
19h54 – MIRNA SPRITZER lê CINTIA MOSCOVICH
Local: Goethe Institut – Rua 24 de Outubro, 112

Encontros poéticos/Itaú Cultural
20h – SÉRGIO VAZ e PAULO SCOTT
Local: Goethe Institut – Rua 24 de Outubro, 112

DIA 23/05 | SEXTA-FEIRA
Leituras de poemas
18h30 – ESCOBAR NOGUEIRA, GUTO LEITE e PAULO VIEIRA participam de leituras e debate sobre seus livros. Mediação: MOEMA VILELA
Local: Casa de Teatro de Porto Alegre – Rua Garibaldi, 853 – Bom Fim

Leitura | A melhor maneira de dizer tudo em 6 minutos
19h54 – OLAVO AMARAL
Local: Casa de Teatro de Porto Alegre – Rua Garibaldi, 853 – Bom Fim

Mesa 6
20h – Atores, diretores, textos literários e seus personagens. Debate com MIRNA SPRITZER, ZÉ ADÃO BARBOSA e GRAÇA NUNES. Mediação: TÂNIA CARVALHO
Local: Casa de Teatro de Porto Alegre – Rua Garibaldi, 853 – Bom Fim

Sarau
21h – Convidados: CASA DOS ARTISTAS, ESCOBAR NOGUEIRA, PAULO VIEIRA, ELISA MENEGHETTI E OS BALANGANDÃS, MARIANA TEIXEIRA e DJ JOVI
Local: Sintrajufe-RS – Rua Marcílio Dias, 660

DIA 24/05 | SÁBADO
Lançamento
15h – CHRISTINA DIAS lança “Ninguém aprende samba no colégio”. Participações de ANA LONARDI, MARCELO DELACROIX, RUBEM PENZ e GRUPO VOCAL SOL DE SI.
Pocket show com CAIO MARTINEZ e grupo tocando repertório de NOEL ROSA
Local: Bamboletras – Rua General Lima e Silva, 776 – Centro

Leituras
16h a 17h – LEITOR DE RUA. Coordenação: MARÔ BARBIERI
Local: Bamboletras – Rua General Lima e Silva, 776 – Centro

Leitura | A melhor maneira de dizer tudo em 6 minutos
17h24 – CLÁUDIA TAJES
Local: Palavraria – Rua Vasco da Gama, 165 – Bom Fim

Sarau das 6
17h30 – JEFERSON TENÓRIO, GABRIELA SILVA e LÍGIA SÁVIO recebem CÍNTIA MOSCOVICH e MARCELINO FREIRE
Local: Palavraria – Rua Vasco da Gama, 165 – Bom Fim

Leitura | A melhor maneira de dizer tudo em 6 minutos
19h24 – ALTAIR MARTINS lê MARCELINO FREIRE
Local: Palavraria – Rua Vasco da Gama, 165 – Bom Fim

Mesa 7
19h30 – Escrita política. Conversa de JOÃO SILVÉRIO TREVISAN e ALTAIR MARTINS. Mediação: MARCELINO FREIRE
Local: Palavraria – Rua Vasco da Gama, 165 – Bom Fim

DIA 25/05 DOMINGO
Mostra Saraus de Poa
15h30 – Apresentação de saraus e lançamento do livro coletânea do jornal BOCA DE RUA
Local: Casa de Cultura Mario Quintana, Mezanino (Rua dos Andradas, 736, Centro)

Leituras
19h – DEBORAH FINOCCHIARO e EVERTON BEHENCK lêem contos de MARCELINO FREIRE
Local: Casa de Cultura Mario Quintana, Mezanino (Rua dos Andradas, 736, Centro)

Lançamento
19h30 – “Entre a neve e o deserto” de GISELA RODRIGUEZ
Local: Casa de Cultura Mario Quintana, Mezanino (Rua dos Andradas, 736, Centro)

Shows de encerramento e festa *
21h – MEDIALUNAS, FLU e FUNFARRA (DJ MANOEL CANEPA)
Local: Espaço cultural 512

*Excepcionalmente, haverá cobrança de ingresso

Assista o trailer da Fest Poa abaixo:

Mais informações sobre a Festi Poa, basta acessar os endereços da festa na WEB:

Site | Facebook | Twitter | YouTube

Por Priscila Visconti (que queria estar muito nesta festa literária);

[Caixa de Som] Neto Lobo e a Cacimba canta a essência do nordeste, com uma pitada de música popular

neto_cacimba

Quando mistura-se rock com uma pitada de ritmos interioranos do nordeste, só pode dar música original e de qualidade, afinal o novo sempre cativa aos ouvidos mais apuradas e as mentes abertas. Essa é a tendência da banda Neto Lobo e a Cacimba.

neto_cacimba 2O grupo já segue esse compasso desde 2001, e eles são abertos a todos os estilos, ritmos e inspirações, viajando da poesia a literatura, indo até a longevidade da seca nordestina, qual inspirou também outros autores e poetas, como descreve-se na escrituras literárias brasileiras.

A poesia cantando a efervência nordestina, propagando essa cultura tão rica que há no país, misturando com linguagens do pop, rock, heavy metal e africanas. Uma salada musical com cadência e melodia.

65035_363130227152886_1245337802_n

O primeiro disco da banda foi lançando em 2012, reunindo um apanhado de 11 anos do grupo, com letras que ditam o cotidiano nordestino, entre outras viagens e adversidades frequentada pelos integrantes, embaladas por um sotaque forte regional e pela voz marcante e cativante de Neto Lobo, que canta a alma do povo do nordeste. Confira abaixo o single ‘A peleja do diabo com a flor‘, parte do primeiro álbum do grupo:


Agora, a banda segue a trajetória preste a lançar o segundo álbum, ‘Meu Pé de Umbu’, título dado com base na citação do escritor Euclides da Cunha, no livro ‘Os Sertões’, quando se refere ao umbuzeiro como árvore sagrada do sertão.

O disco traz ainda mais forte as raízes nordestinas afloradas na essência da banda, mostrando quão as origens valem mais do que qualquer modismo, visando a propagação da cultura regional e efervescendo a baianidade, a resistência das tradições e o lado poético-positivo da realidade vista e vivida no interior nordestino.

1798371_444363542362887_2025076249_nNeto e a Cacimba mostra quão rica é mesclar essas tradições culturais, com ritmos populares da industria fonográfica, transformando o regional em algo novo e original.

Agora é aguardar pelo lançamento de ‘Meu Pé de Umbu’, e atribuir mais da cultura nordestina em nós, cativando o regionalismo e a originalidade de somar a outros estilos e ritmos musicais.

Mais informações sobre Neto Lobo e a Cacimba:
Site | Facebook | SoundCloud

Por: Patrícia Visconti

[Cantinho Literário] 100 anos de Carolina Maria de Jesus

caroline-maria-de-jesus

O Cantinho Literário dessa semana, não será dedicado a novos escritores, poetas e nem iremos passar dicas de livros e autores à vocês, mas sim será um especial centenário, da escritora mineira Carolina Maria de Jesus, que completou 100 anos no mês de março.

A história da Carolina começa em Minas Gerais, em uma comunidade rural, onde seus pais eram agricultores. Ela foi para escola forçada por sua mãe, depois de a esposa de um rico fazendeiro pagar seus estudos e de mais outras crianças do bairro mineiro, mas ela parou de ir a escola no segundo ano, mas mesmo assim conseguiu aprender a ler e escrever, mesmo sem ir mais a escola.

Depois que sua mãe faleceu, no ano de 1937, a jovem Carolina se muda para a capital de São Paulo, no qual ela construiu sua própria casa, usando madeiras, lata, papelão e qualquer coisa que pudesse encontrar e todas as noites ela saia para coletar papel, para arrecadar dinheiro para sustentar sua família. Mas quando encontrava revistas e cadernos antigos, guardava-os para escrever em suas folhas, sendo assim que começou a escrever sobre seu dia-a-dia, sobre como era morar na favela.

No ano de 1960, a autora publicou “O Diário de Carolina Maria de Jesus”, e neste mesmo ano ela conhece o jornalista Audálio Dantas, que estava fazendo uma cobertura do pequeno parque municipal, que logo após a cerimônia, ele viu Carolina de Jesus de pé na beira do local gritando “Saiam ou eu vou colocar vocês no meu livro!”, Audálio quando viu aquela cena foi logo conversar com a escritora e já pediu uma mostra de seu livro para ler e logo depois correu para o jornal onde trabalhava.

Foi ai que o livro “A História de Carolina”, estourou pela cidade e pelo país e ainda em 1960, Carolina Maria publica seu novo livro, “Quarto de Despejo”.

A tiragem de “Quarto de Despejo”, teve dez mil exemplares, só lançamento, se esgotando na primeira semana. A linguagem no qual escrevia em seus livros, era simples e deselegante de uma pessoa sem muita instrução, mas mesmo assim, foi traduzido para 13 idiomas, se tornando um best-seller na América do Norte e na Europa.

Mas depois de muita fama e alguns livros em sua bagagem, a escritora, que teve apenas uma filha, na qual ela criou sozinha, morreu no subúrbio de São Paulo, pobre e esquecida, em 13 de fevereiro de 1977, com 62 anos, com insuficiência respiratória. Segundo sua filha, vera, Carolina Maria de Jesus queria se tornar atriz e cantora, mas que ela não conseguiu realizar esse sonho.

Livros publicados
Além do Quarto de despejo (1960)
Quarto de despejo (1960)
Pedaços de fome (1963)
Provérbios (1963)
Diário de Bitita (1982, póstumo)

O pobre e o rico, de Carolina Maria de Jesus

“Ex-catadora de papel, Carolina foi descoberta pelo jornalista Audálio Dantas ao escrever uma matéria sobre a expansão da favela do Canindé. Com pouca escolaridade, favelada, mulher, negra e pobre, Carolina fez das obras um meio de denúncia sócio-política.”

carolina 2

Por Priscila Visconti

[Cantinho Literário] Do caderninho de poesia à uma coletânea de poesias

1185248_579358842109944_1973639409_n

Esta semana vamos abrir a editoria aqui n’O Barquinho Cultural, claro que é com a editoria de literatura, o Cantinho Literário, mas é com uma colega de profissão da equipe do OBC, graduada em jornalismo, no Centro Universitário FIEO (UNIFIEO) e como todos já sabem, nós damos muito privilégio aos colegas jornalistas, como a escritora e jornalista Mary Prieto, 21 anos, de São Paulo/capital.

1146482_579423188770176_1472634253_n

Mary sempre teve a literatura em suas veias, pois com apenas oito anos de idade, ela ganhou o clássico “O mundo de Sofia” .

A filosofia se tornou sua  paixão e seu objetivo, no qual a perseguiria por toda sua vida, Mary manteve sua vocação pela escrita, leitura e as análises do mundo, caçando novas histórias, para embasar em seus conhecimentos e ideias.

A escritora utiliza-se as ideias de seu caderninho de poesia, para superar seus obstáculos e tornar suas ideias e conhecimentos, para se comunicar, expor sua poesia e transformá-las em reflexões. Como diria Clarice Lispector, a palavra é o seu domínio sobre o mundo, e esse espaço que aqui se renova é, sem dúvida, sua “liberdade de expansão”.

No ano de 2006 ela foi convidada para ser colunista no fã site da atriz e cantora Marjorie Estiano, onde também pode desenvolveu habilidades como design gráfico e nos anos de 2010 e 2011 escreveu sobre teatro, também nessa época, criou sua primeira versão do “considerando inquietudes”, blog que acabou servindo de base e “alimento” para seu primeiro livro, intitulado “Essência”.

1017000_579365232109305_1774322370_n

Esse é o livro que Mary Prieto está lançando e também já está a venda, para encomendas, e em diversas casas do ramo, como a Livraria Cultura.

O livro conta a história da essência de uma viagem com dois caminhos principais, mas com multi possibilidades e chegadas pessoais e intransferíveis, onde o leitor pode ajustar seu olhar poético e ir navegando entre a contemplação que gera liberdade na alma e a reflexão que trás a profundidade em si mesmo, inspirando-se em um mar de poesia e possibilitando uma visão de imensidão de um todo.

Confira a sinopse de “Essência” abaixo:

Essência é uma coletânea de poesias de teor filosófico, em que o objetivo maior é propor o olhar contemplativo e reflexivo. O amor também é uma temática central que permeia todas as palavras do livro, conferindo ao olhar poético intensidade e/ou leveza.

Essa obra é um misto de emoções que oferece ao leitor a possibilidade de, através da palavra, expandir, ou se aprofundar até o âmago. É a transformação de um estado automatizado em um estado sensível, permissível, permeável e imprescindível.

Livraria Cultura 
Encomendas diretas mary.prieto@bol.com.br

Contatos da Mary Prieto:
Site Pessoal
Twitter
Facebook
Site do livro Essência

1209291_579378552107973_559265493_n

PS: Lembrando que para quem ainda não tem, haverá uma segunda chance: dia 17/05, sábado, na feira do livro anual do Colégio Giordano Bruno, a escritora Mary Prieto, estará na bienal, promovendo seu livro e também autografando, em uma tarde de autografo e um bate papo, sobre o livro e também sobre poesia, literatura e jornalismo.

Por isso, quem não possui o livro, pode garantir o seu, autografado e ainda tirar uma foto com a Mary, na feira do livro anual, no Colégio Giordano Bruno, no km 14.200 da Rod. Raposo Tavares, a partir das 10 da manhã às 16 horas da tarde, então não percam!

Por Priscila Visconti