O JORNALISMO INSERIDO NA 9ª ARTE: QUADRINHOS COMO FONTE DE INFORMAÇÃO

UG224-vitrine-1024x576

O jornalismo na visão de muitos é sempre visto com uma seriedade excessiva, já o perfil do profissional jornalista é enxergado como um clichê do William Bonner: sério e engravatado, então quando se fala em algo como Jornalismo em Quadrinhos, algumas pessoas tendem a torcer o nariz. A palestra “Jornalismo em Quadrinhos” com as quadrinistas Helô D’angelo e Cecília Marins, mediada pela jornalista Luiza Vilela, na Butantã Gibicon decididamente fez muitas pessoas ampliarem sua visão a respeito do jornalismo inserido nessa mídia, que devido ao preconceito, não é muito explorada.

Além de também ser considerada por muitos como uma mídia que não é confiável. Entretanto, como bem sabemos, várias outras mídias podem ser consideradas duvidosas devido à disseminação desenfreada de notícias falsas, tanto que o próprio jornalismo acabou sendo desacreditado por causa do excesso de informações circulando cuja veracidade não foi verificada. Os quadrinhos são apenas mais uma mídia na qual o jornalismo pode ser explorado de forma criativa, pois é uma ferramenta nova por meio da qual a forma de fazer jornalismo pode ser reinventada.

IMG-20191208-WA0120

Outra visão errônea compartilhada por boa parte dos brasileiros e perpetuada através de revistas em quadrinhos feitas para crianças e pela popularidade dos super-heróis é a de que quadrinhos são “coisa de criança”, logo todo quadrinho seria direcionado exclusivamente para este público específico. A autora Cecília Marins nos contou uma situação peculiar que aconteceu com ela em sua bancada na Gibicon, na qual estava vendendo sua recém-publicada HQ “Parque das Luzes”, que é uma reportagem a respeito da vida de mulheres em situação de prostituição no Parque da Luz, um dos mais antigos pontos da cidade de São Paulo.

Cecília afirmou que um garoto, acompanhado de seu pai, se aproximou de sua bancada, pois a HQ com sua capa agradável e nome inofensivo atraiu a atenção da criança, contudo ao explicar sobre o que se tratava a história do “gibi”, a autora ainda afirmou que talvez se a criança esperasse mais alguns anos, poderia lê-la. Esse momento, apesar de gerar risadas no público presente na palestra, levantou a questão de que precisamos parar de assumir previamente que toda história em quadrinhos seja destinada ao público infantil.

IMG-20191208-WA0121

É possível que a reportagem feita em quadrinhos tenha muito mais sensibilidade com as fontes do que outros meios, como a reportagem feita na TV, por exemplo, pois os quadrinhos possuem uma característica em comum com o jornalismo literário: a possibilidade de misturar o fato com o lírico e adotar uma linguagem mais poética para conversar com leitor enquanto foge da fórmula do lead fixo lhes é permitido. A liberdade de utilizar diferentes traços de desenho de acordo com cada informação. E por falar em cuidado com a fonte, uma questão levantada pelas autoras é a maneira de preservar a identidade da fonte, que além de ser muito mais criativa que apenas uma alteração na voz e o rosto coberto, evidencia o respeito que os autores tem para com a fonte, sua privacidade e sua integridade.

Nesse processo, a autora Helô D’angelo nos contou como criou personagens que representassem as quatro mulheres com quem conversou sem revelar nada sobre quem elas são, além de suas histórias, em sua HQ “Quatro Marias”, reportagem em quadrinhos que conta a história de quatro mulheres que abortaram em algum momento da vida. Já Cecília nos contou que enquanto entrevistava as mulheres na ONG Mulheres da Luz, desenhou um esboço de uma personagem que representaria a mulher em questão no quadrinho de acordo com características que a própria entrevistada dizia que gostaria de ter em sua personagem para diferenciá-la dela própria.

Esse estilo escolhido pelas autoras foi essencial para que a fonte se sentisse protegida e amparada, pois diferente de método sensacionalista, conversar com a fonte e pedir sua ajuda para criar uma personagem demonstra a vontade das jornalistas de contar sua história sem rodeios e sem constrangê-las também. Afinal jornalismo não é sobre o autor, é sobre as fontes e a arte de contar suas histórias, é sobre saber ouvir as pessoas e “ver elas se verem traduzidas em um quadrinho”, conta D’angelo.

Toda essa atenção sinaliza mais uma característica essencial na profissão de jornalista: a responsabilidade, pois ao realizar uma matéria, seja uma grande reportagem ou uma nota, o jornalista deve ter a consciência de pesquisar o assunto sobre o qual está tratando. Pesquisas essas muito aprofundadas que vemos com clareza em muitas matérias de jornalismo em quadrinhos, mas que estão em falta em jornais televisivos e radiofônicos, muitos deles famosos e aclamados. Logo, quanto mais imparcialidade cobra-se dos jornalistas, menos responsabilidade é encontrada, visto que em diversos jornais, várias vezes vimos jornalistas que estão há muitos anos no ramo sendo irresponsáveis e cometendo erros que não deveriam, em hipótese alguma, dar-se ao luxo de cometer. Como, por exemplo, o caso do jornalista Augusto Nunes agredindo o também jornalista Glenn Greenwald, um colega de profissão e seu entrevistado no momento da agressão, a quem deveria respeitar, apesar das divergências políticas, fato que Nunes simplesmente ignorou, o que caracteriza uma atitude irresponsável e antiética.

Outro fator pontuado pelas quadrinistas é o de que reportagens em quadrinhos podem ser tão sérias quanto uma reportagem fotográfica ou totalmente escrita, porém muito mais acessível e dinâmica, visto que muito mais do que um texto cru, que muitas vezes não é lido em sua totalidade, os quadrinhos tendem a nos fazer enxergar determinada informação por outra perspectiva, algo que não nos seria possível em outras mídias, como a televisão, por exemplo. Segundo as autoras, para fazer uma reportagem em quadrinhos de qualidade, o jornalista deve compreender que os desenhos não servem apenas para ilustrar aquilo que está escrito, mas também para complementar o texto, ou seja, funciona como mais uma forma de transmitir aquela informação.

Quando perguntada sobre quem poderia realizar uma reportagem em quadrinhos, D’angelo afirma acreditar que a formação em Jornalismo seja importante devido ao treinamento que o jornalista adquire em sua instrução para exercer a profissão com responsabilidade, opinião esta que apesar de polêmica, segundo a própria autora acrescenta, esteja correta, pois reportagens jornalísticas, sejam elas em quadrinhos ou não, exigem certa experiência que deve ser adquirida com o tempo e treinamento adequados. Existe uma forma correta de buscar informações, um modo correto de falar com as fontes, um jeito certo de escrever sua matéria, e esses são apenas alguns exemplos de coisas que se aprende na faculdade com a devida orientação.

IMG-20191208-WA0119

“O que eu vejo de jornalista, inclusive, fazendo entrevistas super antiéticas e expondo as fontes. Quando eu fiz o meu TCC, tive o maior cuidado de não postar na internet coisas como: ‘alguém conhece uma mulher que abortou?’ porque eu sei que isso é um crime e se a pessoa falar que abortou, ela pode ir presa. Já aconteceu de fontes que me deram entrevista e queriam colocar o nome, se eu fosse uma pessoa que não é treinada em Jornalismo, eu poderia falar que tudo bem, mas sei que não posso mesmo se a pessoa pedir.”; acrescenta Helô ao informar também que os dados numa reportagem em quadrinhos são tão importantes quanto em qualquer outra matéria, pois ilustram uma história com pesquisas concretas feitas por órgãos responsáveis.

Sobre processo de escolha da pauta que será abordada pelo quadrinho, as autoras confirmam ser parecido com o de qualquer outra matéria jornalística, porém acrescentam que algumas histórias são muito mais difíceis de passar para o papel, pois transpor um fato para a narrativa em quadrinhos não é pensar apenas na parte artística, mas também em como a história pode ser contada de uma forma coesa.

Marins ainda conta que existe uma grande diferença entre imparcialidade e o jornalista fechar os olhos para algo, especialmente ao escolher pautas que de alguma forma envolvam política de forma indireta, como aborto e prostituição, ou de forma direta, como nas HQs Persépolis e Maus, nas quais os quadrinistas Marjane Satrapi e Art Spiegelman, respectivamente, entrelaçam suas vidas com acontecimentos e fatos da história de seus países que impactaram diretamente a maneira que enxergam o mundo -, Satrapi conta sobre como o Irã passou de um país totalmente moderno para um país com extremismo religioso e no qual as mulheres perderam gradativamente seus direitos enquanto Spiegelman, sendo um judeu, reflete sobre o nazismo e a vida de seu pai, Vladek Spiegelman, enquanto vivia em um campo de concentração em Auschwitz.

A autora argumenta que especialmente em casos que envolvam política e que muito se busca pela imparcialidade, muitas vezes isso significa deixar o leitor desinformado, quando o próprio jornalista omite informações de interesse público, simplesmente por não querer “ceder” à pressão e ser parcial, pois de alguma maneira essa informação que deve publicar pode desfavorecer alguém.

Acredito que cada jornalista, que encontra um caminho para exercer seu trabalho por meio de uma mídia não convencional, como os quadrinhos, possui criatividade e está muito a frente de seu tempo, pois mais do que tecnologias, mídias como os quadrinhos fazem o jornalismo estar em constante transformação.

IMG-20191208-WA0122

Dentre as muitas HQs Jornalísticas e autores que as inspiram, D’angelo e Marins citaram a reportagem de Alexandre de Maio “Meninas em Jogo”, que conta a história de meninas menores de idade sendo prostituídas, além da HQ “Estilhaço”, da quadrinista Carol Ito – que também participaria da palestra, porém devido a um imprevisto, não pode comparecer -, quadrinho este que narra a experiência da autora ao viajar para o Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais.

Para aqueles que se interessarem em ler as HQs das quadrinistas, basta acessar quatromarias.com a HQ de Helô D’angelo, a da Cecília – Parque das Luzes que já está à venda, para aqueles que quiserem ler a história, basta entrar em contato com a autora para encomendar um exemplar.

Tanto Helô, a Cecília e a Carol estavam presentes em todos os dias da CCXP, para mas informações basta acessar suas redes sociais das meninas e conferir as novidades, além de conhecer um pouco sobre o trabalho delas – @helodangeloarte, @ceciliatangerina e @carolito.hq.

Por Fernanda Iana

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s