ANDRÉ AZENHA LANÇA A PRIMEIRA PARTE DO LIVRO QUE REÚNE OS GRANDES CLÁSSICOS DOS CINEMAS

s045a-9bpub-pub16-169

O jornalista santista André Azenha, acaba de lançar seu novo livro Filmes que Marcaram a Cultura Pop – Volume 1, marcando uma trajetória de grandes nomes da cultura pop nos cinemas, uma obra que reúne clássicos e cults dos anos de 1970 aos 1990, aonde André reuniu em formato pocket retratando grandes nomes da sétima arte como Os Aventureiros do Bairro Proibido, Comando Para Matar, O Grande Dragão Branco, Karatê Kid: A Hora da Verdade, La Bamba, Mestres do Universo, O Poderoso Chefão, Rocky, Um Lutador, Soldado Universal e Superman: O Filme.

godfather-vito-corleone-marlon-brando-movies-511b291d209a3-compressed

Azenha é um dos jornalistas atuais de maior referência na área dos cinemas, além de crítico, ele também é produtor cultural, realizando diversos eventos, como sendo assessor de imprensa da maior comic-con de Santos, ele realizou a Exposição Batman 80 anos na baixada santista, é diretor do Santos Film Fest – Festival Internacional de Cinema de Santos, entre diversos outras exposições de cinema e cultura geek. Além dos outros livros que André já publicou como Batman: A Série Animada – Uma Revolução dos Heróis na TV (2020), A Era dos Boçais (2021, poesias), Histórias: Batman e Superman no Cinema (2016), Adelia Sampaio: O Segredo da Rosa, Rubens Ewald Filhho: Vida de Cinema! (ambos de 2021), entre outros, ele também coordena a CineZen Edições Literárias.

236958603-10228002705278073-7516203870723677982-n

Esse é o primeiro livro da trilogia que formará uma coleção épica sobre a história do cinema mundial, que teve como inspiração seus pais Manuel e Regina, que trabalharam na Codesp – Companhia Docas do Estado de São Paulo, período integral, enquanto André e seu irmão, era cuidado pela avó materna, Vilma.

livros-crimes-reais-2

O jornalista que sempre foi um aficionado pela cultura pop, pela lembrança que ele teve na infância, principalmente o pequeno livro que seu pai carregava no bolso sobre crimes, violência, temas “pesados” para uma criança. Mas sempre muito curioso, como um bom jornalista que seria sempre saber mais das coisas, mas seu pai não deixava ele ler, por isso trazia um quadrinho para ele ler, seu pai costumava ler quando voltava ou estava indo para o trabalho, ou enquanto precisava esperar nas filas do banco, da padaria, e mas nunca deixava abri-lo, esse era seu momento de descontraído.

novi-a

Mas também deve outras memórias afetivas, que ele ainda guarda em sua vida adulta, que o fez a querer trabalhar ainda mais com cultura, como as música italiana, guardadas em fitas K7, do Seu Nequinho, e de sua mãe, que é uma poetisa. Que também lia livros de bolsos, que eram fáceis de carregar, gostosos de ler, e geralmente baratinhos, o miolo em papel jornal, a capa sem orelha e por aí vai, por isso o tamanho de seu novo livro é de 10 centímetros de largura por 15 centímetros de altura, 246 páginas, capa papel cartão supremo com orelhas, e miolo com papel pólen 80 gramas.

image

Anos atrás esses livros eram bem comuns em bancas de jornais, eram lançados um por semana. No Brasil, os primeiros livros de bolso publicados foram da Coleção Globo, da Livraria do Globo, lançados em 1933 e que mediam 11 por 16 centímetros – um centímetro a mais em largura e altura que este aqui. Em 1956, a Editora Monterrey lançou a série de faroeste pulp O Coyote, de José Mallorquí.

blogib-curtindo-a-vida-adoidado-feat-1

Agora, o jornalista levará essas memórias nsse exemplar que será grande referência para esse trabalho da Coleção Filmes que Marcaram a Cultura Pop, uma herança de memórias e uma jornada muito particular. Mas que tem a ver com a trajetória de outras tantas pessoas. É fruto de um sentimento de alguém que produz cultura: ora, se tenho vontade de vivenciar, experimentar ou consumir algo e não o encontro necessariamente.

Liga-da-justica-Snyder-1080x675

André utilizou de tudo que já vivenciou, colocando em prática em uma coletânea que reúne mais algumas paixões, além de remeter à sua infância, desde as garrafinhas de Coca-Cola, passando pelos times “de botão”, HQs, bonequinhos e, na adolescência, CDs – muito disso se perdeu com o tempo. Foram muitas lembranças, que foi transformado em um livro de fácil portabilidade e é um fruto de todo o sentimento de quando ele está produzindo um projeto cultural, seja ele um artigo, um livro ou uma exposição cultural

240060705-10228020292557744-8562295540824445105-n

Filmes que Marcaram a Cultura Pop – Volume 1 – teve financiamento no Catarse e a pré-venda aconteceu na última sexta-feira (20), no Cine Café do Cine Roxy 5, o maior cinema de rua tradicional de Santos, litoral de São Paulo, com 87 anos de existência. O livro pode ser adquirido por E-mail ou a página do CineZen no Facebook, com a capa assinada pela designer gráfico e professora Audrey Duarte e claro, também pelo próprio André Azenha

thumb-reward-6f9bdfa1-c9e1-4992-8db3-92b701b60622

Filmes que Marcaram a Cultura Pop – Volume 1
Autor: André Azenha
Formato: 10×15
246 páginas
Capa com orelha: papel cartão supremo 250 gramas.
Miolo: Papel pólen 80 gramas.

Por Priscila Visconti

Uma consideração sobre “ANDRÉ AZENHA LANÇA A PRIMEIRA PARTE DO LIVRO QUE REÚNE OS GRANDES CLÁSSICOS DOS CINEMAS”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s