‘À Meia Noite Levarei a Sua Alma’, a icônica história do nosso maior vilão

MMORQROUJJDKRJDFUIOB3-N45-TE

“O que é a vida? É o princípio da morte. O que é a morte? É o fim da vida. O que é a existência? É a continuidade do sangue. O que é o sangue? É a razão da existência!”; é com esse pequeno monólogo que se deu o pontapé inicial da produção de filmes de terror no Brasil e com ele nosso maior tesouro do gênero, o personagem Zé do Caixão que foi escrito e interpretado por José Mojica Marins (1935-2020).

Meu caro amigo leitor devo confessar que não sou fã de filmes de terror tão pouco assisto filmes do gênero e provavelmente esse texto será um dos únicos em que escreverei sobre o tema. Como sabemos o grande pai do terror nacional nos deixou na último último dia 19 de março, aos 83 anos em decorrência de uma broncopneumonia. Com uma carreira extensa e diversos filmes José Mojica Marins foi responsável por introduzir o gênero em terras brasileiras com seu aclamado filme À Meia-Noite Levarei Sua Alma (1964) em que tivemos a primeira aparição do nosso maior vilão cinematográfico, Zé do Caixão.

O filme que estreou nos cinemas brasileiros em 1964 nos apresenta a história do coveiro Zé do Caixão e sua busca incansável pela mulher que irá gerar seu filho e com isso dará a ele a continuidade do seu sangue. Com uma aparência que destoa de tudo e todos ao seu redor Zé por si só já é uma figura que nos dá medo e sua personalidade mais ainda, desprovido de fé não acredita nem em Deus e muito menos no diabo, acha que tudo isso é apenas uma invenção para causar medos nas pessoas. Os diálogos do filmes são muito inteligentes e brincam com medos comuns tanto para época quanto para o agora e um grande exemplo disso é quando a esposa de Zé informa que não haverá carne para o almoço pois era sexta feira santa, o homem responde: “Que me importa que seja sexta-feira dos santos ou do demônio! Eu vou buscar o que eu quero e nenhum carola vai intervir! Hoje eu como carne, nem que seja carne de gente!”. Lenita aconselha ao marido cuidado com as palavras, pois o “diabo tenta”. Zé com um sarcasmo que nos impressiona responde “Se encontrá-lo vou convidá-lo para jantar”.

A grande magia do filme está em seu protagonista que não apresenta medo ou arrependimento de seus atos e que mata, fere, mutila qualquer pessoas que entre em seu caminho como a sua própria esposa Lenita que não podendo gerar um filho se torna um fardo para ele. Pessoalmente para mim a cena de sua morte é uma das mais angustiantes do filme, ela morre em consequência da picada de uma aranha, após ser amarrada por Zé e ter sua boca tampada por um pano, Lenita observa sem poder fazer nada o aracnídeo subindo em seu corpo enquanto Zé assiste e ri de seu sofrimento, uma verdadeira cena de angústia. Outro grande aspecto do filme é sua atmosfera que é bem construída sobre as estruturas de tensão e pavor, em todo o momento ficamos esperando para a próxima maldade de Zé.

jose-mojica-meia-noite-levarei-sua-alma-coleco-cult-D-NQ-NP-974814-MLB27505939717-062018-FÀ Meia-Noite Levarei Sua Alma foi um grande sucesso nos cinemas e ganhou duas continuações (Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver, de 1967, e Encarnação do Demônio, de 2008) que fecharam a grande trilogia do Zé do Caixão e sua busca incansável pela mulher que iria gerar seu filho. E não é somente no Brasil que Mojica fez sucesso, no exterior ele é um grande ícone trash e seus filmes são tão amados que a pessoa que vos escreve assistiu o filme pelo youtube legendado em inglês, algo que não acontece em todos os filmes lançados no Brasil.

Acredito que ninguém tenha a obrigação de assistir filmes antigos ou filmes considerados clássicos, cada um assiste o que gostar. Mas há filmes que são indispensáveis, vão além de clássicos esse é o caso de À Meia-Noite Levarei Sua Alma sua importância é inestimável para o cinema mundial e principalmente o brasileiro, foi o pontapé para nosso terror nacional e a afirmação que no Brasil fazemos filmes de terror muito bons e somos capazes de produzir personagens que assombram as memórias da população. Mojica deixou ensinamentos incalculáveis para os cineastas brasileiros mas o principal é: não desistam de seus projetos, mesmo que esteja contra todos ou que não tenham financiamento, pois o amor ao cinema é maior que as condições precárias.

Jos-Mojica

Quem for assistir o filme eu deixo o mesmo conselho que a feiticeira nos dá, assim que o monólogo de Zé acaba: aos covardes que deixem a sala antes mesmo do filme começar. Que fiquem apenas os fortes e aguentem as consequências.

 

Por Patricia Pontes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s